Eixo capital

Ana Maria Campos
postado em 08/08/2020 23:39 / atualizado em 08/08/2020 23:43
 (foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

Vice de Ibaneis em disputa

Sem uma oposição organizada e nomes fortes em construção para a próxima corrida ao Palácio do Buriti, há, nos bastidores, uma disputa silenciosa pela cadeira número dois, a de vice na chapa do governador Ibaneis Rocha (MDB) à reeleição. A lista de potenciais candidatos é grande, a começar pelo próprio atual vice, Paco Brito (Avante). Há outros possíveis, como os secretários de Governo, José Humberto Pires, de Economia,
André Clemente, e as deputadas Celina Leão (PP-DF) e Flávia Arruda (PL-DF).

 

Na cara do gol


A história do DF registra a dificuldade que um governador tem em emplacar um nome de sua preferência para a presidência da Câmara Legislativa nos últimos dois anos do mandato desde o último governo de Roriz. Ele queria ver no comando o então deputado Pedro Passos. Fábio Barcellos ganhou a eleição, numa articulação liderada por Eliana Pedrosa. José Roberto Arruda queria Eurides Brito. Deu Leonardo Prudente. Rodrigo Rollemberg fez tudo ao alcance pela vitória de Agaciel Maia e Joe Valle levou. Agora, Ibaneis Rocha tem grande possibilidade de ver na Presidência, novamente, Rafael Prudente (foto). Cenário positivo para uma tranquilidade no próximo biênio.

Galeria dos Estados será repaginada

A Galeria dos Estados pode voltar a ser um espaço de vivência entre os brasilienses e se transformar em um novo atrativo turístico. Uma mudança no espaço está sendo alinhada pela secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, e o administrador da região central de Brasília, Josué Martins. Mais do que a reforma estrutural e o retorno dos comerciantes, a proposta de revitalização da Galeria dos Estados vai ganhar nova roupagem e eventos periódicos para atrair os moradores e
turistas que visitam a capital federal.

Mandou bem

Decisão da Justiça obriga as empresas do transporte público do DF a higienizar o interior dos veículos sempre que chegarem ao terminal e realizar limpeza externa pelo menos uma vez ao dia, sob pena de multa de
R$ 5 mil por ônibus.

Mandou mal

Brasil chegou à marca das 100 mil mortes por covid-19 e mais de 3 milhões contaminados, sem que se tenha até o momento uma solução para barrar esse cenário desolador, apesar de a esperança de uma vacina proteger as pessoas do coronavírus.

A pergunta que não quer calar

Tem riqueza maior do que poder abraçar o pai hoje?

Buraco sem fundo

Tem deputado distrital com mais de 30 cargos no governo achando que precisa ampliar o espaço no poder.

Nas mãos do STF

O advogado Luis Felipe Belmonte (foto), alvo de investigação no STF como suspeito de financiar ações antidemocráticas, pode complicar os planos do senador Izalci Lucas (PSDB-DF) de chegar ao Palácio do Buriti. Suplente de Izalci, o vice-presidente do Aliança, partido do presidente Jair Bolsonaro, foi alvo de operação policial autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes. A campanha de Izalci pode ser prejudicada a depender do resultado dessa investigação, uma vez que sua vitória garante um mandato a Belmonte.

Só papos

“Lamento todas as mortes. Ta chegando em 100 mil talvez hoje (...) mas vamos tocar a vida e buscar uma maneira de se safar disso aí”
Presidente Jair Bolsonaro

“Hoje, o país deve atingir a trágica marca de 100 mil mortes por coronavírus. E tudo o que Bolsonaro tem a dizer aos brasileiros é que temos que ‘tocar a vida’. Um genocida convicto!”
Deputado distrital Fábio Félix (PSol)

À QUEIMA-ROUPA

Desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT)

Qual mensagem o senhor pode passar, hoje, às famílias no Dia dos Pais?
Ser pai não é só gerar a vida, mas cuidar, proteger e, acima de tudo, amar muito. Em todos os momentos, devemos agradecer a Deus pela oportunidade de sermos pais. Desejo às famílias coragem para amar, para cuidar e educar os filhos, principalmente nos momentos difíceis. Não tenham medo de assumir a paternidade. Com as bênçãos do Pai Celestial, cumpriremos a missão divina e maravilhosa que recebemos. A vida de um ser humano é um fenômeno, uma graça infinita. Assim, pedimos ao Senhor que sempre esteja presente em nossas famílias, protegendo os nossos filhos de todos os males e perigos desse mundo.

O Brasil vive uma pandemia que já tirou 100 mil vidas. O que a Justiça pode fazer para amenizar esse drama?
O Judiciário está atento à crise, cumprindo o dever de observar o respeito ao direito à saúde de toda população, fiscalizando a legalidade e a efetividade das ações públicas emergenciais. Está zelando para que a atuação dos agentes responsáveis pelo enfrentamento da crise se paute pelos princípios do ordenamento jurídico. O Judiciário tem respeitado as recomendações sobre isolamento social e vem mantendo o trabalho remoto para servidores e magistrados, realizando julgamentos exclusivamente por meio virtual. Mesmo com a nova rotina, está conseguindo preservar a produtividade dos trabalhos. Está fazendo sua tarefa, cumprindo o seu papel institucional nesse contexto de crise epidemiológica.

E no Distrito Federal? Acredita que as medidas adotadas para conter a propagação do vírus têm sido corretas?
Acredito que as autoridades da saúde pública têm buscado soluções adequadas para diminuir a intensidade da transmissão da covid-19, principalmente enquanto não há vacina ou remédio de eficácia comprovada. Sabemos das dificuldades e controvérsias sobre as soluções. Creio que, com a chegada da vacina, conseguiremos normalizar a crise existente entre saúde pública e abertura da economia. A situação é complexa, mas não é possível paralisar todas as atividades, ou decretar o isolamento total, como algumas pessoas desejam. O Brasil já venceu várias doenças graves, como a peste negra, a gripe espanhola e a Aids. Certamente que também vai vencer a atual pandemia.

Em meio à crise sanitária, vemos, também, crescer uma ofensiva contra a maior operação de combate à corrupção do país. Acredita que está ocorrendo um retrocesso?
Acabar com o que resta da Operação Lava-Jato para favorecer políticos e grupos econômicos poderosos significaria um grande retrocesso. Espero que o Judiciário esteja unido para não permitir que o retrocesso se concretize em nosso país, que já deu o bom exemplo de que é possível combater a corrupção e recuperar parte do dinheiro público desviado. Lamentavelmente, Sérgio Moro abandonou a missão, em que fazia excelente trabalho no combate à corrupção. Acho que ele caiu no canto da sereia ao migrar para o lado político, em que certamente deve ter se decepcionado com as falsas promessas. Acho que Moro cometeu o maior erro de sua vida ao deixar 22 anos de magistratura, em uma carreira vitalícia. Poderia ter oferecido muito mais ao país, se tivesse continuado na magistratura.

Na sua avaliação, houve erros da Justiça e do Ministério Público?
Não existe absolutismo em nenhum setor, isto é, errar é humano. Sem dúvida de que, no combate à corrupção, muitos erros foram cometidos, sobretudo nos momentos em que tentaram politizar as ações ou desfilar para os holofotes da mídia. Apesar dos erros, os resultados foram positivos. Por isso, não podemos deixar que o interesse ilegítimo de algumas pessoas interrompa o trabalho que vem sendo realizado no combate à corrupção. É dever do Judiciário e do Ministério Público zelar pelo cumprimento das leis, respeitando o devido processo legal e as provas dos autos. Vale a regra de que quem cair na rede, responderá pelas ações ilícitas praticadas. Nosso foco é acertar sempre, apesar de nossas limitações.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação