Tentativa de feminicídio

Entre a vida e a morte

Cleudiane dos Santos está em estado gravíssimo, no Hospital de Base. No último domingo, ela recebeu 22 facadas do ex-companheiro, que está foragido, e perdeu o bebê, de 4 meses

Sarah Peres
Darcianne Diogo
postado em 11/08/2020 21:31
 (foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

A mulher vítima de uma tentativa de feminicídio permanece em estado gravíssimo no Hospital de Base. Cleudiane dos Santos, 27 anos, recebeu 22 facadas do ex-companheiro após sair de uma festa, na QND 37, em Taguatinga. A dona de casa estava grávida de 4 meses do acusado e perdeu o bebê. Ela segue intubada na unidade de saúde e respira com a ajuda de aparelhos. O Correio apurou que os ferimentos atingiram o pescoço, as costas, o tórax e o abdômen, o que causou perfurações nos rins, fígado e pulmão. O suspeito, Fernando Ferreira Soares, 32, está foragido.
O crime ocorreu na noite do último domingo, por volta das 19h. Cleudiane estava em um churrasco na casa de um amigo, em Taguatinga Norte e, segundo as investigações, o ex-namorado chegou ao local pouco tempo depois. “Ele colocou uma faca na cintura e chamou a vítima para ir até a casa dele, na QND 37, afirmando que iria lhe dar R$ 50”, detalhou o delegado-chefe da 17ª Delegacia de Polícia, Mauro Aguiar.
No local, Fernando teria ficado com ciúmes do dono da residência, um senhor de 70 anos. Uma câmera de segurança da vizinhança registrou a ação do criminoso. Nas imagens, os dois caminham por uma calçada e discutem um com o outro. Poucos segundos depois, ele pega a faca que está na cintura e a ataca por trás, derrubando-a no chão. “Ele deu 15 facadas nos braços e costas dela, mas foram ferimentos mais superficiais. Com a vítima ainda ao chão, ele a virou e, então, deu outras duas facadas profundas no abdômen, o que provocou o aborto. Os ferimentos indicam, ainda, que a mulher não teve chance de defesa no momento do ataque, pois não há lesões que indiquem luta corporal”, acrescentou o investigador.
Equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) prestou os primeiros socorros à mulher e a encaminhou ao Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Ela precisou ser transferida para o Hospital de Base, onde passou por procedimento cirúrgico. Ela está intubada e respirando com a ajuda de aparelhos e, por isso, nem a família ou os investigadores conseguiram conversar com Cleudiane.
Relação conturbada

Cleudiane e Fernando mantiveram uma relação por cerca de nove meses. No entanto, há três meses, a vítima decidiu colocar um fim no relacionamento. “Ele era muito ciumento e, em uma briga, chegou a morder o rosto da mulher. Ela deixou o local e voltou a residir com a mãe, no entanto, não registrou ocorrência de violência doméstica”, explicou Mauro Aguiar.
De acordo com o investigador, mesmo depois da separação, Fernando continuou perseguindo a ex-mulher. Mudou-se para uma casa na rua de Cleudiane, e tentou uma aproximação. “Ele a seguia pelos locais, ficava de olho em tudo o que ela fazia. Foi o que ocorreu no domingo, quando ela seguiu para um churrasco com a família, e o suspeito estava no local”, acrescentou o delegado.
Agora, a família aguarda pela evolução do quadro de saúde da vítima, que tem uma filha de 2 anos, fruto de um relacionamento anterior. “Não consigo acreditar que isso aconteceu. Quando vi as imagens, meu coração parou. Tudo o que queremos é que ela fique bem, e que a Justiça seja feita. Ele precisa pagar pelo que fez”, diz a irmã de Cleudiane, que preferiu não se identificar.
O caso está sendo solucionado pela 17ª DP, pois está elucidada a autoria do crime, assim como a motivação: sentimento de posse. O suspeito fugiu do local do crime a pé e, até o fechamento desta edição, não havia sido capturado.
O acusado tem passagens por tráfico e estupro de vulnerável, e cumpria prisão domiciliar desde 2019. O homem responderá por tentativa de homicídio triplamente qualificado: feminicídio, motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima. Ele também será autuado pelo aborto do bebê.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação