Obituário

Morre Luís Miúra, ex-diretor do Detran

Miúra comandou o Detran e implantou as ações previstas na campanha Paz no Trânsito

Adriana Bernardes
postado em 17/08/2020 14:57 / atualizado em 17/08/2020 16:24
Luís Miura era ex-diretor do Detran/DF e implantou a campanha Paz no trânsito -  (foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press)
Luís Miura era ex-diretor do Detran/DF e implantou a campanha Paz no trânsito - (foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press)

A guerra contra a violência no trânsito perdeu um grande soldado nesta segunda-feira (17/8). O ex-diretor-geral do Detran, Luis Miúra, morreu na manhã de hoje. Miúra comandava o Detran quando o Distrito Federal colocou em prática o maior e mais importante projeto para conter a selvageria nas ruas do Distrito Federal: a Campanha Paz no Trânsito.

Miúra era apaixonado pelo tema e carregava um orgulho danado de ter implantado as ações que resultaram em menos menos vidas perdidas. O respeito à faixa de pedestres, a instalação de radares para coibir o excesso de velocidade, a cobrança do uso do cinto de segurança mesmo dentro das cidades são algumas das ações que implementou.

Em 2015, ele recebeu a equipe do Correio em sua casa e revelou um verdadeiro acervo sobre o seu trabalho na busca pela mobilidade mais segura. O arquivo continha recortes de jornal, acompanhamentos estatísticos de monitoramento dos acidentes e mortes, entre outros documentos. Foi uma tarde inteira de conversa regada a café com biscoitos e sucos. Se tempo houvesse, não faltaria assunto para mais de um dia.

Entre as histórias, Miúra relatou a apreensão dele e da equipe de governo quando começou a cobrança de respeito à faixa. Ele confessou não ter dormido na noite que antecedeu o 1º de abril de 1997. Sim, no dia da mentira, o motorista brasiliense começou a parar para o pedestre na faixa e os pedestres passaram a atravessar no equipamento de segurança.

Em nota divulgada pelo Departamento de Trânsito do Distrito Federal, o diretor-geral do órgão, Zélio Maia, destacou a importância do trabalho realizado Miúra. O texto frisa ainda que antes de Miúra, faltavam dados estatísticos, por isso Miúra trabalhou pela sistematização das informações sobre acidentes e dobrou o efetivo de agentes e de viaturas. “Um dos grandes aprendizados que o Miura nos deixa é que o trânsito precisa ser mais humano. Ele pensava muito na vida das pessoas no trânsito e atuava no sentido de protegê-las. Miura sempre esteve à frente do seu tempo, visionário e corajoso, ele criou, participou e apoiou ações extremamente importantes para a história do trânsito do DF e de outros Estados. A ele, o nosso eterno muito obrigado”, disse Zélio Maia.


Miúra tinha 71 anos e morreu em decorrência de um câncer. O corpo dele será cremado nesta terça-feira (18) em Valparaíso. Ele era casado com Catharina Shisuka Fukushima e deixa três filhos. 

 

  • Luis Riogi Miura
    Luis Riogi Miura Foto: Iano Andrade/CB/D.A Press
  • Luis Riogi Miura
    Luis Riogi Miura Foto: Iano Andrade/CB/D.A Press
  • Luis Miura.
    Luis Miura. Foto: Carlos Moura/CB/D.A Press
  • Luis Miura
    Luis Miura Foto: Carlos Moura/CB.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação