Força, Brasília

Em meio à crise, brasilienses mostram empreendedorismo e abrem negócios

Mesmo durante a pandemia e o isolamento social, brasilienses mostram empreendedorismo e abrem os próprios negócios. De 17 de março a 17 de agosto, 24.716 empresas iniciaram as atividades no DF. Vendas, vestuário e alimentação são destaques

Caroline Cintra
Ana Clara Avendaño*
postado em 20/08/2020 06:00 / atualizado em 20/08/2020 10:39
 (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

Apesar dos impactos negativos na economia causados pela pandemia do novo coronavírus, a abertura do negócio próprio continua sendo uma alternativa para a geração de renda, principalmente para quem busca driblar o desemprego. Dados da Junta Comercial, Industrial e Serviços do Distrito Federal (Jucis) mostram que, de 17 de março — quando começaram a ser adotadas as medidas preventivas contra a covid-19 — até 17 de agosto, 24.716 empresas iniciaram as atividades no DF. Dessas, 19.368 são de microempreendedores individuais (MEIs). No mesmo período do ano passado, esse número foi 5,6% maior, com um total de 20.517 MEIs. À época, foram 26.448 novos empreendimentos.

Entre os setores que mais cresceram desde o início do isolamento social estão promoção de vendas, varejista de vestuário e acessórios, fornecimentos de alimentos para consumo domiciliar, restaurantes e similares e cabeleireiro, manicure e pedicure. O levantamento mais recente da Jucis aponta que, até 5 de julho, o Plano Piloto foi a cidade que mais recebeu novos negócios, com 2.497. Em seguida, aparecem Ceilândia (2.318), Taguatinga (2.048), Samambaia (1.476) e Guará (1.223).


Superintendente do Sebrae no DF, Antônio Valdir ressaltou que, ao longo do tempo, mudou o perfil de carreira profissional do brasiliense. Antes, o sonho era construído em cima da esperança em alcançar uma vaga no serviço público. Hoje, o empreendedorismo bate mais forte. “Quem saiu da universidade nos últimos 5 anos é de uma geração que tem o empreendedorismo como alternativa”, explicou. A crise, no entanto, impulsionou parte dessas pessoas que desejam ter o próprio negócio. “Costumo dizer que, na crise, o empreendedorismo sai da mão do acomodado e vai para a mão daquele que se ajustou ao mercado. A crise sempre é um bom momento”, afirmou.

De acordo com Antônio Valdir, dois pontos são importantes para quem quer ter boa chance e sucesso. A primeira é identificar-se com o segmento enquanto vocação, principalmente para o pequeno empreendedor. “Ele é o que faz tudo. Vende, compra, atende. Se não tiver identidade, não vai suportar estar dentro do negócio. Por exemplo, uma pessoa vai montar um pet shop, mas não gosta de animais. Como vai ficar nisso?”, questionou o superintendente do Sebrae. O segundo passou é conhecer e preparar-se para o mercado, assim, terá mais oportunidades.

Sonho


Moradora de Samambaia e formada em administração, a empresária Layanne Araújo, 28 anos, sempre sonhou em abrir o próprio negócio. Na infância, tinha facilidade para criar roupas de bonecas. Em 2017, abriu o Dlaychic Boutique, mas, como trabalhava no setor hoteleiro, não tinha tempo para atender às clientes e fechou a empresa. Como a pandemia afetou o ramo no qual prestava serviço, foi dispensada em março. Segundo ela, ali nascia a oportunidade de empreender novamente.

Em 7 de maio, ela comprou mercadoria, começou a usar um quarto cedido pela sogra dela, em Samambaia, montou a loja e divulgou as peças de roupas femininas nas redes sociais. “O meu negócio vem dando certo, e eu sempre vou dizer que ele só prosperou porque eu acreditei nos meus sonhos e que Deus me permitiu viver o extraordinário, mas tem sido desafiador a cada dia”, disse Layanne.

Há três anos, os empresários Filipe Oliveira, 26, e João Lucas dos Santos, 25, começaram a pensar em abrir um negócio juntos. O sonho, no entanto, se tornou realidade em maio deste ano. A dupla trabalhava junta em uma empresa de certificação digital, mas foi desligada quase na mesma época. Como João cursa agronegócio na Universidade de Brasília (UnB), eles decidiram dar início à Colheita Hortifrúti, oferecendo serviços de delivery de frutas, verduras e legumes. "O medo e o empreendedorismo andam lado a lado, principalmente para pessoas que começam do zero, mas o que faz a diferença é se entregar ao medo e não conseguir agir ou superá-lo e colocar seu negocio em pratica, independente de todas as diversidades", afirmou Filipe.

Donos da lanchonete Beijú, na 209 Sul, Alan Marzola, 35, e João Gabriel Amaral, 27, iniciaram uma reforma no espaço em 10 de janeiro. A ideia era inaugurar em poucos meses. Porém, a obra acabou no meio da pandemia. “Ficamos receosos, mas decidimos começar a funcionar mesmo assim, com as vendas por aplicativo. Ficamos sem saber como seriam os próximos dias, se os comércios abririam. Quando voltaram, vimos que funcionou e está dando tudo certo, tanto que abrimos uma segunda unidade na Asa Norte”, contou Alan.

Risco


Doze dias antes de o GDF anunciar o fechamento do comércio, a empresária Ludmilla Moura, 31, abria as portas do Dona Zuca, na 309 Norte, uma lanchonete inspirada em casa de vó, como ela diz. Antes, Ludmilla trabalhava com encomendas de bolos e salgados em uma sobreloja, na Asa Norte. Quando decidiu abrir um espaço para receber os clientes, veio a pandemia. “Eu sempre fui muito insegura. Achava que não daria conta de atender à demanda. Até que, um dia, a minha sogra disse que, se eu esperasse a situação perfeita, eu nunca abriria a minha loja. Todos entraram nesse sonho comigo. Mas logo precisamos baixar as portas”, lembrou.

Mesmo assim, a empresária não pensou em desistir. “Em comparação com aqueles 12 dias que funcionou, o faturamento caiu 70%. O movimento caiu. Agora, as pessoas estão começando a se sentir seguras ao sair de casa. Para manter, tivemos de nos reinventar e voltamos para os trabalhos de entrega. Esperamos nos recuperar para o negócio não entrar em depressão. Ainda não conseguimos”, contou.

Palavra do Especialista em direito empresarial Silas Adauto

 

Segundo o IBGE, até o primeiro trimestre de 2020, o Brasil contabilizava mais de 38 milhões de trabalhadores informais. Esses números revelam que boa parte dos empreendedores optam pela informalidade, provavelmente, por desconhecerem os direitos inerentes à sua atuação como empresário.

Desta forma, cabe ressaltar, que existem três obrigações principais do empresário, que estão elencadas no Código Civil Brasileiro, que desencadeiam diversos direitos que resguardam a empresa.

Os principais deveres a serem cumpridos pelo empresário, são: efetuar o Registro na Junta Comercial Estadual – preferencialmente – antes de iniciar suas atividades; fazer a escrituração dos livros obrigatórios; e fazer o Balanço Patrimonial.

O cumprimento de tais deveres, abre um leque de direitos como a criação da personalidade jurídica da empresa e a sua regularização ante ao Estado. Subsequentemente, há liberação dos alvarás de funcionamento e das respectivas licenças, bem como possibilita a participação em licitações e a abertura de conta corrente empresarial, o que pode ajudar a distinguir o patrimônio da empresa, do patrimônio pessoal – que por vezes se confundem, gerando sérios riscos ao empresário.

Por fim, diante das incertezas que permeiam a atividade empresarial, destaca-se a prerrogativa de pleitear a recuperação judicial, além da possibilidade de demandar o pedido de falência – se resguardando das imputações de crime falimentar e falsificação documental – assim como, de utilizar os documentos constitutivos para comprovar direitos em face de credores e devedores.

Portanto, apesar do ramo empresarial brasileiro ser marcado por uma cultura de informalidade, faz-se imprescindível a mudança de mentalidade do empresariado, visto que o impacto positivo da regularização, é medida indispensável para o bom andamento dos negócios e da economia.

Condições favoráveis

 (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
crédito: Carlos Vieira/CB/D.A Press

O economista e professor da Escola Nacional de Administração Pública (Enap) José Luiz Pagnussat avalia que, apesar do período de incertezas, várias oportunidades surgem como grande potencial econômico. “A pandemia gerou uma mudança no comportamento social das pessoas e nas necessidades em relação às atividades comerciais. Os serviços que permitem o atendimento ao cidadão no contexto de isolamento crescem muito”, explicou.

Planejar, entender o mercado e avaliar os custos são as principais estratégias para o negócio prosperar. Apesar de haver um número maior de pequenas empresas com as portas fechadas em relação ao surgimento de novos empreendimentos, abrir um estabelecimento comercial durante a pandemia tem vantagens. Para José Luiz, há alternativas interessantes para investir no setor comercial. “O governo está ofertando linha de crédito mais favoráveis, e os custos financeiros estão muito menores”, exemplificou o economista.

O especialista em empreendedorismo Flavio Mikami afirma que é necessário ter a cabeça aberta para enxergar as possibilidades na dificuldade. “Existe oportunidade em todos os momentos. Na pandemia, muitos negócios cresceram, como e-commerce, lojas de supermercados e farmácias. A pergunta a ser feita é qual negócio abrir e se o momento é oportuno”, explicou. Independentemente da época, empreender exige dedicação e estudo. “O primeiro passo é analisar o mercado e, depois, entendê-lo. Ter conhecimento sobre o mercado de atuação será o diferencial para fazê-lo dar certo ou não”, aconselhou Flávio.

Coragem


Uma opção é buscar um modelo de franquia, como fez a proprietária de uma loja de calçados femininos Carolina Laguardia, 38. A lojista tinha uma ótica no Rio de Janeiro, mas mudou-se para a capital por causa do emprego do marido. Ela vendeu o empreendimento e, quatro anos depois, investiu em outro segmento do comércio, o de calçados. “Eu estava esperando uma oportunidade quando a proposta de abrir a franquia da marca carioca Sonho dos Pés Planos apareceu. Quando veio a pandemia, nós estávamos com a obra quase pronta e a equipe selecionada. Então, foi um caminho sem volta, porque não tinha como recuar, era uma questão de tempo para a inauguração”, detalhou Carolina Laguardia.

Assim como Carolina, Alan, Layane e Ludmilla tiveram coragem para correr atrás do sonho de serem empreendedores. Flávio Mikami aponta coragem, equilíbrio emocional e esforço como as principais características de um empresário de sucesso. “Não é fácil, são muitos altos e baixos. A preparação e o estudo também são pontos-chaves para se ter um negócio. O principal é trabalhar, não tem outro segredo”, orientou o especialista.

* Estagiária sob supervisão de Guilherme Goulart

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação