Animais

Bombeiros resgatam carcará preso em árvore; Confira os vídeos

A ave se encontra bem e foi conduzida pela Polícia Militar Ambiental do DF ao Zoológico de Brasília

Correio Braziliense
postado em 20/08/2020 15:18 / atualizado em 20/08/2020 16:50
 (foto: CBMDF/Divulgação)
(foto: CBMDF/Divulgação)

O Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) resgatou, no início da tarde desta quinta-feira (20/8), um carcará que estava preso em um ninho a dez metros de altura em uma árvore na quadra 306, localizada na Asa Norte.

A ave ficou presa à linhas e arames usados para construir o ninho. A equipe do CBMDF retirou os materiais enrolados na pata do carcará e a Polícia Militar Ambiental do DF o conduziu ao Zoológico de Brasília.

Os bombeiros tiveram que utilizar uma escada giratória articulada (Escada Magirus) porque o bicho estava a mais de 10 metros de altura em relação ao solo. Três viaturas e dez militares participaram da operação.

Carcará

O carcará (Caracara plancus) está presente em quase todo território brasileiro e pode ser encontrado com facilidade em regiões abertas e parques. O animal geralmente caminha no chão, contundo são excelentes planadores.

A ave conhecida também como carancho e gavião-de-queimada, dá início a reprodução ao construir ninhos em árvores altas ou palmeiras como foi o caso da representante da espécie resgatada pelo CMBDF. Parente distante dos falcões, o bicho possui uma alimentação variada nutrindo-se de carcaças, répteis, anfíbios, outras aves, resto de lixo e até mesmo amendoim, feijão e frutos de dendê.

Caraca plancus
Caraca plancus (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

O nome carcará se origina na língua tupi e é uma onomatopeia indígena para o som emitido por esta ave. Plancus é uma palavra vinda do Latim que significa águia. Ao juntar os dois termos se tem: águia que emite o som “cará”, “cará”.

Esta espécie ficou bastante conhecida na canção de João do Vale e José Cândido que leva seu nome e canta sobre seus hábitos mais comuns.

*Com informações do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

l

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação