Crime

Polícia Civil lança cartilha para alertar sobre golpes virtuais

Documento explica como os estelionatários agem e traz dicas sobre como se prevenir das investidas dos golpistas

Correio Braziliense
postado em 03/09/2020 12:06 / atualizado em 10/09/2020 15:51
 (foto: Divulgação/PCDF)
(foto: Divulgação/PCDF)

A Polícia Civil do DF acaba de lançar uma cartilha com informações sobre os principais golpes virtuais praticados na capital federal por estelionatários, e traz dicas de como não cair nas armadilhas dos criminosos. 

Um levantamento da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) mostrou que nos sete primeiros meses de 2020 foram registradas 11.503 ocorrências de estelionato na capital. No mesmo período de 2019, ocorreram 7.031 registros da mesma natureza criminal.

“Percebemos o aumento desses crimes e listamos as principais formas de atuação dos estelionatários. Explicamos de forma bastante didática como ocorrem e o que fazer para evitá-los.”, explicou o delegado titular da Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Propriedade Imaterial e a Fraudes (Corf/PCDF), o delegado Wisllei Salomão.

Conheça os tipos de golpes e proteja-se

A cartilha explica como acontecem quatro dos principais golpes na capital.

Pelas redes sociais

Os crimes especificados envolvem o aplicativo de mensagens WhatsApp, em que os criminosos vinculam a fotografia da vítima a um número telefônico e solicitam dinheiro ou outras vantagens para os conhecidos da vítima ou por meio do Instagram, em que o criminoso entra em contato com o alvo via direct, passando-se por representante de um restaurante de preferência da pessoa e envia um link com um suposto e voucher ou cupom de descontos.  

Investimentos

No golpe de investimentos, os criminosos usam pessoas jurídicas para oferecer investimentos pessoais com ganhos e taxas de juros acima dos praticados no mercado.

Falso motoboy

No golpe do falso motoboy, a vítima recebe ligação telefônica supostamente da área de segurança de um banco e é questionada sobre uma compra realizada com o cartão de crédito dela.

O criminoso afirma que, para a comodidade do cliente, vai enviar um funcionário da agência à residência da vítima para buscar o cartão de crédito cancelado e também uma declaração de não reconhecimento de compra. Na posse do cartão, o criminoso realiza saques.

Conscientização necessária

Para o delegado os números aumentaram, mas a consciência da população também. “O cidadão está muito mais consciente de seus direitos, estão denunciando mais e buscando as delegacias na tentativa de reaver o prejuízo. Além disso, a facilidade de registrar esses crimes por meio da Delegacia Eletrônica facilita, principalmente neste período de pandemia”, afirma o delegado Wisllei Salomão.

Denuncie

A Polícia Civil orienta para que, em casos de golpes, a população denuncie pelo telefone 197, opção 0; pela internet: www.pcdf.df.gov.br; WhatsApp: (61) 98626-1197 ou por e-mail: denuncia197@pcdf.df.gov.br

Fique atento

Confira dicas para se proteger de fraudes bancárias:

» O banco não liga nem encaminha links por SMS, WhatsApp ou e-mail pedindo atualização dos dados, sincronização de token ou desbloqueio de cartão

» Não clique em nenhum link. Digite, no navegador, o endereço eletrônico do banco ou da loja em que pretende realizar a transação ou compra

» Sempre baixar aplicativos apenas da loja oficial do sistema operacional do seu dispositivo

» O banco não entra em contato para pedir cadastro de favorecido, transferências, transações para testes ou estorno de valores nem desbloqueio de cartão

» O banco não entra em contato para dizer que sua conta será bloqueada por falta de atualização cadastral

» Também não envia ninguém em sua casa para retirar seu cartão, notebook, computador, tablet, celular ou o chip dele, nem para pedir atualização ou sincronismo de token

» Fique atento àalinks encurtados e desconhecidos enviados por SMS ou e-mail. Não clique nem informe seus dados

Fonte: Febraban

Cartilha PCDF by CorreioBraziliense on Scribd

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação