Clima

Para driblar os dias secos

Com a umidade relativa do ar abaixo dos 30%, brasiliense tem buscado truques para aliviar a secura característica desta época do ano. Aumento da ingestão de água, uso de umidificador e de toalhas molhadas são algumas das alternativas

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 06/09/2020 23:16

» CIBELE MOREIRA

O mês de setembro chegou e, com ele, a seca que castiga os brasilienses tende a se intensificar com baixa umidade e temperaturas elevadas. Especialistas e médicos alertam para os cuidados à saúde neste período do ano, principalmente por causar sintomas parecidos com a covid-19, como falta de ar e tosse. Para aliviar a secura, a população tem usado truques simples, como beber bastante água, utilizar toalhas molhadas, umidificador e deixar a casa mais arejada. No fim de semana, muitos aproveitaram para fazer atividades ao ar livre e se refrescar às margens do Lago Paranoá.
O casal de gaúchos Margaret Leivas e Roberto Ghiggi, ambos de 62 anos, mora em Brasília há 27 anos e, a cada ano, eles se adaptam com alternativas para aliviar o incômodo da seca. “O nosso corpo tem a memória do clima mais úmido, então acaba que a gente sente mais cansaço, fadiga, dor de cabeça. Quando mudamos para cá, tínhamos o costume de utilizar muito o umidificador, depois parei. Recentemente, tenho ligado, porque tenho sentido mais o desconforto. Também coloco as roupas para secar quando elas ainda estão mais úmidas. E estou sempre bebendo água. Cada um tem sua garrafinha e fica lembrando o outro para se manter hidratado”, conta Margaret.
Um outro truque que eles utilizam durante a noite é deixar a água empossada no banheiro. “Fecho o ralo e deixo um pouco de água no box. De manhã, o chão está sequinho”, conta Roberto. O banho também ficou mais frio e a aplicação de cremes para hidratar a pele foi intensificada. “O nariz da minha filha, quando era pequena, sangrava muito por conta da secura. Hoje, ela tem 21 anos e não sofre tanto com o clima”, destaca Margaret.
A alimentação foi adaptada para comidas leves, com mais salada, verdura e fruta. “Evitamos frituras e carne vermelha. Sempre procuramos ter cuidado com as refeições”, ressalta a gaúcha. “Muitos amigos, quando vêm nos visitar, reclamam. Mas a gente gosta daqui e aprendeu a conviver com este período, que dura pouco”, afirma. Apaixonados pelos ipês-amarelos, os dois também aproveitam o momento mais ameno do dia para apreciar a vista da árvore típica da seca.
Para Ivania Dolores Bezerra, 29, moradora do Guará II, esta época do ano é quando os cuidados com a hidratação aumentam. “Busco beber muita água, usar creme hidratante e manter os olhos bem hidratados com soro fisiológico. Como eu tenho ressecamento ocular, esse desconforto aumenta”, relata. Ela conta que deixa as janelas sempre abertas para circular o ar e, procura usar roupas leves durante o dia. Neste ano, até o momento, ela tem conseguido manter uma rotina sem tantos problemas com a seca. “Mas, em anos anteriores, sofri bastante. Principalmente com o nariz sangrando, ressecamento dos olhos e falta de ar”, pontua.

Cuidados

Rodrigo Biondi, intensivista do Hospital Brasília, ressalta alguns outros cuidados que o brasiliense tem que se atentar. “É importante manter a hidratação diária com intensidade. Com maior atenção às crianças, que não estão habituadas a tomar muito líquido, e aos idosos, que têm pouca água corpórea e estão mais propensos a ter desidratação”, alerta. “Há outras dicas simples que as pessoas podem adotar, como colocar toalha molhada em alguns pontos da casa, bacias embaixo da cama e o uso de umidificadores. No caso deste último, deve-se ter cuidado em sempre limpar antes de usar”, destaca.
O médico também expõe um outro ponto que precisa de maior atenção. “As pessoas com doenças respiratórias, como asma, bronquite, rinite, devem manter o acompanhamento médico e não abandonar o tratamento. Essas infecções agem com a inalação de poeira e ácaros, que pode ocasionar crises de falta de ar, tosse, coriza. São os mesmos sintomas da covid-19. Não dá para distinguir uma da outra sem fazer exame. Por isso, é importante ter esse cuidado redobrado”, enfatiza.
Neste período de pandemia, a troca das máscaras de proteção facial — item obrigatório para a prevenção da propagação do novo coronavírus — necessita de cuidado redobrado. “Por estar mais seco, as pessoas não percebem que a máscara ficou úmida e precisam trocá-la. A dica é que troque, ao menos, duas vezes no dia. Uma antes do almoço e outra, depois. Assim, traz maior eficácia.”
Para aqueles que fazem exercícios ao ar livre, o melhor horário é perto das 8h e depois das 17h. Deve-se evitar a prática no período das 10h a 16h, quando o sol está mais forte e o suor evapora com facilidade, podendo provocar desidratação grave e insolação. Ingestão de frutas com bastante líquido também é indicada.
Morador da Asa Sul, André Luiz Teixeira, 29, conta que, antes mesmo de iniciar o período da seca, procurou um pneumologista para tratar a asma. “Agora, estou seguindo o tratamento certinho e nem estou usando a bombinha. Já senti uma melhora”, conta. De acordo com ele, a pandemia acendeu um alerta para os cuidados com a saúde. “Eu fico preocupado em dobro. Aumentei a quantidade de água que tomo e procuro fazer exercícios no horário mais ameno.”
Sem chuva

O Distrito Federal está há mais de 100 dias sem chuva. De acordo com dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o último registro ocorreu em 25 de maio, quando começou a estiagem. Sem precipitações significativas, o ar tem ficado cada vez mais seco, com a umidade relativa do ar variando abaixo dos 30%, o que deixou a capital em estado de atenção. Segundo o meteorologista do Inmet Heráclio Alves, o mês de setembro deve trazer taxas mais baixas. A menor registrada na história foi de 8%, em 4 de setembro de 2019. “Este mês é característico pela baixa umidade e pouca possibilidade de chuva. A queda ocorre sempre em setembro e se estabiliza em outubro, com a chegada do período chuvoso”, detalha.
Em 26 de agosto deste ano, foi registrado o menor índice de umidade no DF. Com 11%, a região de Brazlândia sofreu com a secura. Ontem, a umidade variou entre 15% e 65% e a temperatura máxima atingiu 30°C. Hoje, o ceú também estará aberto, com poucas nuvens, prevê o Inmet.
O estado de atenção é decretado quando a umidade varia entre 30% e 20%. Caso a umidade relativa do ar fique entre 12% e 20% por três dias consecutivos, é declarado estado de alerta. E, em caso de dois dias seguidos abaixo de 12%, torna-se estado de emergência.

» Linha do tempo

Umidades mais baixa

8%

4 de setembro de 2019


9%

21 de setembro de 2007


10%

7 de agosto de 2002


11%

26 de agosto de 2020

 

» Orientações importantes

 

» Lave as mãos com frequência e evite colocá-las na boca e no nariz;

» Procure manter o corpo sempre bem hidratado. Beba bastante água. Na hora do lanche ou da sobremesa, dê preferência a frutas ricas em líquido;

» Aplique soro fisiológico no nariz
e nos olhos;

» Evite a prática de exercícios físicos ao ar livre entre 10h e 17h;

» Use produtos para hidratar
a pele do rosto e do corpo;

» Coloque chapéu e óculos escuros para proteger-se do sol;

» Coloque toalhas molhadas, recipientes com água ou vaporizadores nos quartos;

» Evite aglomerações e permanência prolongada em ambientes fechados ou com ar-condicionado;

» Mantenha a casa limpa e arejada;

» Procure não usar vassouras, que levantam o pó por onde passam. Dê preferência a aspiradores
ou panos úmidos;

Fonte: Defesa Civil

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação