Concursos públicos

Concurseiros retomam rotina de estudos e se preparam mais que antes da pandemia

O início da pandemia, em março, freou a rotina de estudos de quem ambiciona uma vaga em concurso. Com a reabertura comercial, candidatos retomaram estudos e se preparam ainda mais do que antes da crise, avalia professor

Tainá Seixas
postado em 08/09/2020 06:00
 (foto: Arquivo pessoal)
(foto: Arquivo pessoal)

A pandemia de coronavírus afetou a previsão de novos concursos e a rotina de muitos concurseiros. Algumas provas já marcadas foram suspensas ou adiadas. Em outros casos, certames avidamente aguardados podem demorar ainda mais a sair. Há, no entanto, seleções abertas que motivam os candidatos a continuar a rotina de estudos, buscando a tão cobiçada estabilidade profissional que, usualmente, vem acompanhada de salários acima da média do setor privado.

Como resultado da pandemia, os concurseiros têm estudado mais do que antes, avalia o professor do curso Direção Concursos Mário Machado. Ele credita essa mudança ao confinamento em casa e à redução no tempo gasto com deslocamentos. “Acho que uma parcela desse tempo que foi economizada acabou indo para o estudo”, analisa. Segundo o professor, a rotina dos estudantes, que foi muito afetada nos primeiros meses da pandemia, já foi normalizada.

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) está com inscrições para seleção de agente até hoje, às 18h. São 600 vagas para início imediato e outras 1.200 para cadastro reserva. Com salário de R$ 8.698,78, tornar-se agente de polícia é o sonho de muita gente.

É o caso da advogada Érika Leite, 30 anos, que estuda desde março do ano passado para conquistar uma vaga em carreira policial. Segundo ela, o início da pandemia foi o período que mais afetou seus estudos, uma vez que as bibliotecas e salas foram fechadas. Érika relata que já conseguiu retomar a rotina de antes, apesar da incerteza.

“O mais desafiador é a incerteza de você não saber quando você vai passar, quando as coisas vão acontecer na sua vida. Você tem que ser muito perseverante nesse cenário”, afirma a moradora do Sudoeste. Ela estuda, todos os dias, cerca de cinco horas, sem deixar de folgar duas vezes por mês.

Para Mário Machado, a incerteza é um fator que sempre permeia a vida do concurseiro, e foi apenas acentuada pela pandemia. “Estudar para concursos, desde sempre, foi esse gerenciamento de emoções e incertezas, e a pandemia foi mais um componente de incerteza. Mas, na medida do possível, os concurseiros conseguem administrar essas emoções de modo que o estudo para concursos não fique prejudicado de maneira significativa”, avalia o professor.

O especialista destaca a importância de os estudantes se focarem no longo prazo, com uma rotina de estudos que encaixe bem à realidade de cada um. É importante ter paciência com o processo dos estudos, tentando diminuir a ansiedade e a apreensão sentidas. De acordo com ele, o que mais funciona é evoluir com os estudos aos poucos, dentro das possibilidades e limitações de cada um.

Mais vagas

Outro concurso no Distrito Federal abrirá as inscrições em 15 de setembro: o da Defensoria Pública do DF. São 60 vagas, nas áreas de direito (30), administração (8), arquivologia (1), arquitetura (2), jornalismo (1), contabilidade (5), economia (1), engenharia civil (2), banco de dados (1), desenvolvimento de sistemas (2), redes (3), psicologia (2) e serviço social (2), com salário inicial de R$ 5.241,22.

No âmbito nacional, as Forças Armadas estão com seleções abertas no Exército Brasileiro, Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e Marinha do Brasil. Mais seleções pelo Brasil você pode conferir no site Eu, Estudante.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação