Nova chance

Paciente segura faixa de gratidão em frente ao Hospital de Base

Há um ano, João Batista fez transplante de rim no HB. Esse foi seu jeito de comemorar o primeiro ano da cirurgia

Correio Braziliense
postado em 11/09/2020 17:52
João Batista é morador de Águas Lindas de Goiás e chegou por volta das 7h -  (crédito: Divulgação/Iges-DF)
João Batista é morador de Águas Lindas de Goiás e chegou por volta das 7h - (crédito: Divulgação/Iges-DF)

Na manhã desta sexta-feira (11/9), João Batista da Silva, 57 anos, tirou a manhã para segurar uma faixa de agradecimento para a equipe médica e de enfermagem do Hospital de Base (HB). Na faixa, estava inscrita a frase “Agradeço a toda a equipe médica e de enfermagem do transplante renal do HB”.

Esse foi o jeitinho que João Batista encontrou para comemorar o primeiro ano da cirurgia que deu a ele um novo rim. João levantou cedo para fazer a homenagem. Ele é morador de Águas Lindas de Goiás e chegou por volta das 7h. Fez questão de usar terno e uma máscara que ele mesmo pediu para ser feita com as palavras: “Transplantado – Rim”.

“Estou fazendo essa homenagem, hoje, porque completo um ano do meu transplante renal. Graças a Deus, obtivemos sucesso e estou aqui para homenagear. Não cabe o nome de todos nessa faixa, mas quero agradecer àqueles que cuidaram de mim no Hospital de Base. Quero parabenizar a todos que fazem acontecer no Hospital de Base, desde aquele que trabalha na limpeza até quem está na mais alta posição”, elogiou.

João contou que os rins apresentaram insuficiência por causa da pressão arterial muito alta. “Eu cuidava, mas chegou a um ponto em que eu precisava fazer hemodiálise. Passei cinco anos e seis meses no tratamento que era feito três vezes por semana, até que perdi os dois rins”, lembrou.

Segundo ele, o procedimento de hemodiálise gerava muito desconforto. “A gente que faz hemodiálise não pode dizer que tem vida em si mesmo. É muito difícil esse procedimento. Eu me sentia fraco, cansado e sem força”, afirmou.

Antes de ir embora, ele fez um apelo para quem desconhece a importância da doação de órgãos. “Hoje me sinto outro homem, graças a Deus e à equipe do transplante renal. Sei que algumas pessoas têm medo, mas sejam doadores de órgãos. Vocês vão salvar vidas. Deus vai te abençoar muito mais”, finalizou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação