Recursos hídricos

Obras do sistema Corumbá estão na reta final

A previsão é de que a construção seja concluída ainda este ano. Segundo a Caesb, o sistema permitirá segurança hídrica à população e extinguirá racionamento nas próximas décadas

Correio Braziliense
postado em 16/09/2020 20:12
 (crédito: Caesb/Divulgação)
(crédito: Caesb/Divulgação)

As obras do Sistema Produtor de Água do Corumbá estão 97% concluídas no território do Distrito Federal. Segundo a Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb), o sistema permitirá segurança hídrica à população e extinguirá racionamento nas próximas décadas.

A Caesb pretende finalizar as obras ainda este ano e, no início do ano que vem, inaugurar mais uma reservação de água. O valor investido foi de R$ 311 milhões, a partir de recursos provenientes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

As etapas que o DF é responsável são os testes operacionais e ajustes nos equipamentos da estação de tratamento de água e elevatória de água tratada. Estes serviços serão executados na conclusão da captação e estação elevatória de água bruta de Goiás.

O abastecimento ocorrerá em duas fases. A princípio, o projeto atenderá 1,3 milhão de pessoas, com a vazão de 2,8 mil litros de água por segundo. A construção vai beneficiar até 2,5 milhões de habitantes do DF e de Goiás. No futuro, essa capacidade pode chegar a 5,6 mil litros por segundo. Cada unidade federada ficará com metade da vazão produzida. 

Sistema

O Sistema Produtor de Água do Corumbá é um conjunto de obras para captação de água no reservatório de Corumbá 4, com estruturas de tratamento que tornem a água potável e seja, assim, distribuída para a população do DF e de Goiás. O ponto de captação no Reservatório de Corumbá fica no município de Luziânia (GO).

As regiões administrativas do DF que serão atendidas diretamente por Corumbá são: Gama, Park Way, Recanto das Emas, Riacho Fundo 2 e Santa Maria. Com as obras de interligação, vão ser contempladas também cidades como Águas Claras, Arniqueira, Núcleo Bandeirante, Taguatinga e Ceilândia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação