Eixo capital

Correio Braziliense
postado em 18/09/2020 22:54
 (crédito: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
(crédito: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)


PSB quer 13º voto para CPI da Pandemia

O PSB está exigindo que o deputado distrital José Gomes, filiado ao partido, assine o requerimento para criação da CPI da Pandemia na Câmara Legislativa. Uma negativa pode significar a expulsão do deputado, já que a legenda do ex-governador Rodrigo Rollemberg fechou posição favorável à investigação relacionada à compra de testes para covid-19, foco da Operação Falso Negativo, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). O requerimento chegou a ter 13 assinaturas, maioria entre os deputados, mas Daniel Donizet (PL) voltou atrás. Agora José Gomes está sendo pressionado a assinar. Ele recebeu ontem a advertência do presidente regional do partido, Rodrigo Dias.

 


Pesquisa de covid-19 no Mané Garrincha

O Hospital de Campanha do Mané Garrincha será usado em pesquisas para avaliar possíveis medicamentos que sejam mais eficazes no combate da Covid-19. A unidade participará de dez estudos clínicos multicêntricos internacionais para o tratamento da doença, incluindo testagem de vacinas. A pesquisa já está ocorrendo e recebeu aprovações dos Conselhos de Ética em Pesquisa.

 


Projeto garante verba para medicamentos indicados para doenças raras

Parte dos 30% dos recursos destinados ao Programa de Fomento à Pesquisa da Saúde será aplicada em atividades voltadas para o desenvolvimento e compra de medicamentos destinados ao tratamento de doenças raras ou negligenciadas pela indústria farmacêutica. É o garante o projeto de lei nº 4352/20 de autoria do deputado federal Julio Cesar Ribeiro (Republicanos-DF). O projeto acrescenta a compra de medicamentos em vez de prever somente o repasse de recursos para o desenvolvimento tecnológico desses produtos. O texto prevê ainda a distribuição pelas farmácias de alto custo, a exemplo do Zolgensma, o medicamento mais caro do mundo, utilizado no tratamento de crianças com atrofia muscular espinhal (AME) e que recentemente teve o registro deferido pela Anvisa. Em Brasília/DF um dos casos mais recentes e que ganhou notoriedade, foi o da pequena Kyara Lis, portadora de AME e que precisa de ajuda para ter acesso ao Zolgensma, que custa US$ 2 milhões, ou aproximadamente, R$ 12 milhões.

 

À QUEIMA-ROUPA

Deise Moisés, Presidente do Conselho de Entidades de Promoção e Assistência Social (CEPAS)

Por causa da propagação de covid-19, todos estão preocupados com a saúde. Mas há um outro problema: os conflitos e a crise econômica que levam ao caos nas famílias de baixa renda. Qual foi o impacto da pandemia na área social?
A pandemia pegou o mundo e a saúde desprevenidos. Ninguém pensou que passaríamos por tal situação. Os esforços foram concentrados para se salvar vidas. Ao contrário do impacto da pandemia, na saúde, o da área social já pode ser esperado desde o início do ano. Famílias desempregadas, famílias de classe média precisando utilizar os serviços públicos antes não utilizados, maior número de crianças em situação de trabalho infantil, adolescentes, jovens e adultos sem oportunidade de emprego, situação agravada pela pandemia. Com a suspensão das atividades escolares e as do contra-turno escolar, as situações de vulnerabilidade se intensificaram, crianças e adolescentes deixaram de ser protegidos pelas Instituições e pelo Estado.

O foco do governo tem sido investimentos na saúde. Mas tem havido a necessária prioridade na área de assistência social?
Os recursos são escassos, mas quando a pandemia chegou o governo teve que “inventar” recursos para equipar a saúde e evitar a dizimação da população brasileira. E o que vai fazer com a assistência social? Vai deixar que crianças e adolescentes tenham ainda mais seus direitos violados? A política de assistência social precisa ser vista pelo Governo como prioritária para tirar o DF e o País do caos que irá se instalar se os recursos para a assistência social não forem canalizados para o fortalecimento dos vínculos familiares e geração de renda.

O que podemos esperar na pós-pandemia? Ou seja, com o empobrecimento da sociedade, desempregos e falta de oportunidades?
O cenário do pós-pandemia é desalentador. Famílias desempregadas, adolescentes, jovens e adultos sem a perspectiva de emprego. Se antes já era difícil, em um momento de empresas encerrando suas atividades fica ainda pior. O Estado vai permitir que famílias fiquem dependentes de programas sociais? Que o adolescente, o jovem e principalmente a mulher provedora do lar continuem sem oportunidade de emprego? Vai esperar o caos chegar para ter que tomar alguma medida? Com o desemprego e a falta de perspectiva de melhoria de vida, as pessoas são compelidas para violência ou outros caminhos que muitas das vezes não eram a que tomariam se tivessem apoio, orientação ou capacitação para superar esse momento difícil.

Qual é o caminho para amenizar esses problemas?
Investir na política de assistência social em serviços de fortalecimento de vínculos, geração de renda, empoderamento, principalmente, de adolescentes, jovens e mulheres e no empreendedorismo de jovens e mulheres provedoras de seus lares.

Como o GDF trata a política assistencial?
Diante do cenário que hoje vivenciamos, com o maior número de crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil, exploração sexual, inúmeras famílias vivendo nas ruas, o GDF, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social, possui um plano de contingência para atender a população na pandemia e no pós-pandemia? Que tipo de serviço está sendo contemplado no Plano de Contingência? As famílias que perderam seus empregos podem ter esperança de que seus filhos serão protegidos pelo Estado e que as mulheres poderão se capacitar para buscarem uma nova oportunidade? Que os adolescentes e os jovens podem ter esperança de oportunidade de emprego seja formal ou pelo empreendedorismo?
Será que vamos ter que chegar no caos para montarmos um hospital de Campanha ou ampliar o Autódromo para os usuários da assistência social, ou vamos começar agora a investir para darmos cidadania e dignidade para quem precisa. Vamos investir agora e com certeza teremos uma sociedade mais digna e menos desigual no futuro.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação