Atraso

Entidades sociais do DF cobram repasse atrasado do GDF

As instituições ainda não receberam o recurso referente ao mês de setembro. Representantes se reúnem com o governo nesta quarta-feira (23/9)

Caroline Cintra
postado em 23/09/2020 10:09 / atualizado em 23/09/2020 15:13
O repasse do GDF é importante para a manutenção da ajuda social prestada pelas instituições -  (crédito:  Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O repasse do GDF é importante para a manutenção da ajuda social prestada pelas instituições - (crédito: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)

Representantes de instituições de assistência social do Distrito Federal se reunirão na Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) nesta quarta-feira (23/9) para cobrar o repasse de setembro que deveria ter sido depositado até o dia 10. O encontro será às 10h.

Presidente do Conselho de Entidades de Promoção e Assistência Social do Distrito Federal (Cepas-DF) e da instituição Casa Azul, Daise Moisés disse ao Correio que os atrasos têm sido recorrentes e, em tempo de pandemia, as pessoas em situação de vulnerabilidade precisam de mais apoio. “Tentamos resolver tudo por telefone, por conta da pandemia, mas não estava mais resolvendo, precisamos ir pessoalmente para conseguir um retorno do governo”, contou.

De acordo com Daise, em agosto, o Governo do Distrito Federal (GDF) tinha o valor a ser repassado às entidades, mas um problema na parte técnica da Sedes-DF atrasou o trâmite. Este mês, o Cepas-DF não recebeu nenhuma justificativa. “Todo mês os representantes das instituições ligam. Não nos dão respostas. Quando pressionamos, pagam. Mandamos mensagens e nada. Não pode ficar desse jeito. Estamos cobrando um direito nosso”, destacou.

Além disso, as entidades cobram o auxílio emergencial repassado pelo Governo Federal. “Nas outras unidades da federação, o investimento é entregue direto nas instituições. No DF, ele é passado ao GDF e depois deveria ser entregue a nós, mas até agora não recebemos nenhuma parcela. A promessa era de recebermos a partir de junho”, disse Daise.

O Correio entrou em contato com o GDF e aguarda posicionamento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação