Justiça

Acusado de empurrar mulher na frente de caminhão no DF é condenado a prisão

O caso ocorreu em 2017. Lucas teria cometido o crime por acreditar que a vítima furtou bens dele. Ela morreu dias depois do atropelamento

Correio Braziliense
postado em 23/09/2020 20:00 / atualizado em 23/09/2020 20:16
 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Acusado de empurrar uma mulher na frente de um caminhão de lixo em 2017, Lucas Ribeiro Bragança foi condenado a 16 anos de prisão, em regime inicial fechado, pela prática de homicídio qualificado por motivo torpe, meio cruel e uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Ele foi julgado pelo Tribunal do Júri de Águas Claras.

Segundo os autos, Lucas teria empurrado a vítima na frente do veículo nas proximidades do viaduto Israel Pinheiro. A motivação teria sido o fato de acreditar que ela teria furtado bens materiais dele. Depois de uma discussão, ele teria a empurrado na via, onde foi atingida pelo caminhão.

A mulher foi socorrida em estado grave e morreu dias depois. A princípio, investigadores suspeitaram que os dois mantivessem um relacionamento, mas a hipótese foi descartada.

Na avaliação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), o crime teve motivo torpe, pois o acusado teria matado a vítima para praticar um justiçamento próprio. Outro agravante seria o fato de que a mulher foi pega de surpresa e não pôde se defender.

Sídio Rosa, advogado de Lucas, afirmou que vai apresentar apelação contra o julgamento. “Vou pedir a nulidade do julgamento porque foi utilizada prova ilícita que não poderia existir nos autos e, portanto, não há provas. O que se tem é o motorista que atropelou a vítima e contou uma versão que todos tiveram como verdadeira. Ele foi tratado como testemunha quando deveria ser visto como envolvido”, detalhou.

“Estamos num momento muito punitivista no Brasil, tudo se transforma em matéria criminal e tudo tem de ser punido. O povo está vivendo isso e isso influencia o júri”, complementou o advogado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação