Entrevista

"O principal desafio é qualificação profissional", afirma secretário do Trabalho

De acordo com Thales Mendes, um dos principais desafios é preparar as pessoas para enfrentar o mercado de trabalho de forma capacitada

Cibele Moreira
postado em 29/09/2020 06:00 / atualizado em 29/09/2020 08:30
 (crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

Após a crise gerada pela pandemia da covid-19, o Distrito Federal, aos poucos, recupera-se do desemprego. Ontem, em entrevista ao programa CB.Poder — parceria do Correio com a TV Brasília — o secretário do Trabalho, Thales Mendes, reforçou as ações que estão sendo desenvolvidas pela pasta para aquecer a economia. De acordo com ele, um dos principais desafios é preparar as pessoas para enfrentar o mercado de trabalho de forma capacitada.

O que o GDF tem feito para a retomada do emprego no período de pandemia e no pós-pandemia?

Desde antes do período da pandemia, a gente vinha em um planejamento de criar políticas públicas e estruturantes que pudessem minimizar esse efeito do desemprego no DF. Com a pandemia, intensificaram esses trabalhos com a criação de alguns projetos, dentre eles, o grande pacote de obras que foi lançado pelo próprio governo. Nós temos obras em todas as regiões administrativas, de grande e pequeno porte, e isso gerou diversas vagas e contratos. Temos buscado, por meio das agências do trabalhador, visitar as empresas, colocando todo o corpo técnico da secretaria à disposição para fazer as intermediações de vagas. Esse, talvez, seja o principal trabalho que a secretaria tenha feito, além do processo de qualificação.

Podemos falar que estamos no processo de retomada do emprego?

Quando veio a pandemia, houve uma grande massa de pessoas que foram desempregadas. Isso aconteceu com o próprio fechamento do setor produtivo, do comércio e das áreas de serviço. Nós conseguimos medir o impacto de várias formas, até pela própria quantidade de pessoas que deram entrada no seguro-desemprego. E os números mostram, hoje, que nós estamos nos mesmos patamares do mesmo período do ano passado.

O que influenciou para voltar a esse patamar de antes da pandemia?

Primeiramente, a gente deve analisar a composição econômica do Distrito Federal. Nós temos, hoje, mais de 60% de toda a renda que existe no DF vem do setor público. E esse setor não sofreu crise, as pessoas não foram demitidas. Essa recuperação do mercado econômico de Brasília vem também das pessoas que perderam suas vagas de trabalho e que estão sendo contratadas pelas empresas.

Quais foram as principais ações que a secretaria fez durante a pandemia para mitigar o desemprego?

Todo trabalho da secretaria foi colocado como essencial. Nós reabrimos todas as nossas agências em função do grande aumento do pedido de seguro-desemprego. Cumprimos todas as medidas de segurança da saúde para que nossos servidores tivessem condições de trabalhar. Não deixamos de atender ninguém. Nós batemos o recorde de todas as vagas de captação neste ano. Na última semana, ofertamos quase 3 mil vagas de trabalho.

Qual é o principal desafio para a questão do trabalho no DF?

O principal desafio é a qualificação profissional. A vaga a gente tem, as pessoas estão contratando, mas querem contratar aqueles funcionários que têm um mínimo de qualificação profissional. O grande desafio é preparar as pessoas para enfrentar esse mercado de trabalho de forma mais capacitada.

Algum programa foi criado nesse período da pandemia?

Nós estamos com três projetos saindo do forno, entre eles o Renova DF. Nós vamos qualificar 3 mil pessoas, pagando uma bolsa, e elas serão capacitadas pelo Senai, para recuperar equipamentos públicos, como parquinhos e quadras de esportes.

Nova secretaria

O governador Ibaneis Rocha (MDB) assinou o decreto que cria a Secretaria Extraordinária da Família do Distrito Federal. A criação da nova pasta foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) de ontem. Quem assume o comando é pastor Iliobaldo Vivas da Silva, mais conhecido como Léo Vivas. O novo secretário é pastor da Igreja Universal e ex-deputado federal do Rio de Janeiro, pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB). Além de Vivas, foram nomeadas outras 59 pessoas para atuar na nova pasta.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação