Crime

"Queria ser chef de cozinha’, diz irmão de jovem morto ao sair de cachoeira

Amauri Rodrigues de Souza, 23 anos, foi com a namorada para a Cachoeira das Três Quedas, próximo ao Gama. Ao sair do local, o casal foi abordado e o jovem levou um tiro de espingarda

Darcianne Diogo
postado em 29/09/2020 21:13 / atualizado em 29/09/2020 21:21
Na foto, Amauri aparece em frente à cachoeira -  (crédito: Reprodução)
Na foto, Amauri aparece em frente à cachoeira - (crédito: Reprodução)

“Ele era uma pessoa honesta, doce e gentil. Não tinha maldade”, descreve Felipe Douglas Rodrigues, 29 anos, um dos irmãos de Amauri Rodrigues de Souza, 23, assassinado na tarde desta segunda-feira (28/9), após ser baleado quando saía da Cachoeira das Três Quedas, próximo ao Gama.

O jovem estava acompanhado da namorada, de 20 anos, quando foi atingido por um disparo de espingarda. O caso é investigado pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) como latrocínio — roubo com morte. Felipe é o irmão mais velho de Amauri e o descreve como uma “pessoa maravilhosa”. “Esse mundo não foi feito para ele, pois era um menino tranquilo, sem maldade, que estava pronto para ajudar a todos”, conta.

Nesta sexta-feira, Amauri saiu com a namorada para ir até a cachoeira e se divertir. Ao sair do local, o casal foi abordado por um homem armado com uma espingarda. O suspeito, então, teria anunciado o assalto e pediu o celular e a bicicleta do jovem.

"A vítima entregou a bicicleta e a companheira não tinha passado o celular ainda. Quando ele estava com a bicicleta, o criminoso se assustou e ia deixar a bicicleta cair no chão. Nessa hora, a vítima foi tentar segurar a bicicleta para não cair e o suspeito achou que o jovem poderia estar reagindo ao assalto e efetuou um disparo com a espingarda", detalhou o delegado chefe da 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas), Pablo Aguiar.

O jovem chegou a ser socorrido e encaminhado à Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do Recanto das Emas, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. “Minha mãe tinha voltado do serviço e, por volta das 14h30, ela recebeu a ligação sobre o ocorrido. Quando ela chegou na UPA, a assistente social foi conversar com ela, dizendo que o estado dele era grave e que ele já tinha dado trê paradas cardíacas”, disse Felipe.

Carreira e sonhos

Amauri Rodrigues tinha uma rotina árdua e descobriu na gastronomia uma paixão, tanto que pretendia se tornar chef de cozinha. Pela manhã, ele fazia curso na área da informática na Escola Técnica de Taguatinga (ETB). No período da tarde, o jovem se dedicava ao estágio de garçom no Coco Bambu, no shopping DF Plaza e, à noite, fazia um curso de garçom no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

“Ele tinha sonhos, metas, planos e carreira. Queria se tornar chef de cozinha e pretendia ingressar no curso de gastronomia. Aqui em casa, ele até preparava alguns pratos e drinks diferentes”, contou o irmão.

A vítima morava com os pais no Recanto das Emas e, além de Felipe, tinha uma irmã de 19 anos. A namorada de Amauri está em estado de choque. O sepultamento do jovem será nesta quarta-feira (30/9), às 11h, no Cemitério Campo da Esperança da Asa Sul.

 

  • Amauri tinha o sonho de se tornar chef de cozinha
    Amauri tinha o sonho de se tornar chef de cozinha Foto: Reprodução
  • Amauri saiu com a namorada para uma cachoeira na região do Gama
    Amauri saiu com a namorada para uma cachoeira na região do Gama Foto: Reprodução
  • O caso é investigado como latrocínio
    O caso é investigado como latrocínio Foto: Reprodução
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação