Capital S/A

"Por mais difícil que a vida pareça ser, sempre há algo que você possa fazer — e fazer bem", Stephen Hawking, físico britânico

Correio Braziliense
postado em 29/09/2020 21:57
 (crédito: Arquivo pessoal)
(crédito: Arquivo pessoal)

Da passarela à vitrine digital

No mundo da moda, também temos exemplos de reinvenção nos negócios, por causa da pandemia. A fundadora da Avanzzo, Daniella Naegele se jogou no e-commerce. Foi a alternativa para não ficar com estoque parado durante os 69 dias em que teve de manter as cinco lojas físicas fechadas. A diretora de estilo da marca brasiliense contratou uma plataforma eficiente de vendas on-line (uma das maiores do país). Em menos de dez dias , já estava com sua vitrine virtual montada e vendendo as roupas da coleção. Investiu toda a expertise de 31 anos de empresa para captar clientes novos e direcionar as antigas para o site que criou. Deu resultado. As criações da marca de moda feminina estão sendo compradas em 20 cidades brasileiras. Ao entrar no comércio eletrônico de maneira eficiente, Daniella conseguiu outra conquista: fidelizar a clientela em um click. “Criamos ferramentas para a nossa consumidora. Levamos para o mundo virtual o atendimento personalizado que ela já estava acostumada no físico”, conta Daniella, que mal colocou o site no ar e já vai ampliá-lo com o novo modelo de negócio: o marketplace ao abrigar marcas, principalmente de Brasília.

Novo normal no Pontão

 (crédito: Samanta Sallum/CB/D.A Press)
crédito: Samanta Sallum/CB/D.A Press

Em 15 anos a frente da administração de um dos principais cartões-postais de Brasília, o Pontão do Lago Sul, Sandra Campos nunca se viu com tamanho desafio: receber, com a segurança máxima exigida pelo momento, um público carente de sol, verde, brisa do Lago e contato social. Além de placas com avisos, observando para o uso obrigatório de máscara e do distanciamento social, da demarcação de distância segura nas calçadas em todo o complexo de gastronomia e entretenimento, a executiva promove ações educativas junto ao público. Fez parceria com a DF Legal, Secretaria de Governo (SEGOV) e Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (SEL) para a realização de blitzes educativas no local. No final de semana passado, contratou um grupo de promotores para fiscalizar o distanciamento social e o uso de máscaras entre os frequentadores. Ela acredita que a recuperação da receita do Pontão está condicionada ao empenho da administração em garantir essa segurança. “Quanto mais seguros os usuários se sentirem, mais eles ficarão a vontade para consumir em nossos restaurantes, bares e quiosques. Mas precisamos da colaboração do público. Ele tem de fazer a parte dele também.” avalia.

Malhação de luxo

 (crédito: Arquivo pessoal)
crédito: Arquivo pessoal

Após estudo de mercado, ancorado na renda per capta do brasiliense, a maior do país, os empresários Josiel Cabral, Paulo Albuquerque, Murilo Hypolito e Thiago Castro se uniram para fundar a O2 Fitness. Afirmam ser a primeira academia boutique de Brasília com conceito de luxo e serviços exclusivos, no Lago Sul, O espaço de dois andares com serviços vips como concierge, manobrista, segurança, toalhas de rosto e banho, café em cápsula, água engarrafada, energético e suplementos inclusos na matrícula. Nada menos de R$ 1 mil mensais. A O2 estava pronta para ser inaugurada quando as academias foram fechadas pelo GDF, durante a pandemia. Agora, aberta, mesmo sem a prevista inauguração badalada , os quatro empresários apostam que o mercado de luxo na capital vem se confirmando: as matrículas crescem.

Assistência de saúde a empresários

Será inaugurada uma clínica de saúde com preços populares para atender empresas. O local escolhido foi o Edifício Jessé Freire, no Setor Comercial Sul. O indicativo busca ajudar os sindicatos das empresas do segmento de comércio e serviços, filiadas à Fecomercio DF. Em 60 dias , a clínica começa a funcionar , por meio de um cartão de desconto. Cada consulta realizada na clínica terá o valor de R$ 10. Exames também terão preços abaixo do mercado: um hemograma custará R$ 2. Pela avaliação cardiológica, em média R$ 260, será cobrado R$ 65. A Fecomércio explica que cada usuário receberá um cartão virtual, com a marca do sindicato de sua categoria. O cartão não tem limite de idade, sem carência, sem custo por faixa etária e sem limite de uso. Os beneficiários terão acesso também à telemedicina e uma plataforma eletrônica de educação e atendimento em saúde. Por ela, os pacientes serão orientados a distância e poderão participar de atividades terapêuticas em grupo.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação