INCÊNDIO FLORESTAL

Chapada em chamas

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros está fechado para visitação até domingo, devido ao fogo que consome a mata. Bombeiros e voluntários trabalham para controlar as chamas

Mariana Machado
postado em 02/10/2020 22:06
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)


Ponto turístico amado pelos brasilienses, a Chapada dos Veadeiros sofre com os incêndios florestais. Ontem, a concessionária que administra o Parque Nacional, SociParques, fechou o acesso de visitantes, porque as chamas estão próximas aos atrativos do Rio Preto. Conforme informado nas redes sociais, a interdição deve durar até amanhã. “Brigadistas de incêndio do Parque e voluntários, coordenados pelo ICMBio, atuam desde a manhã de quinta-feira para que o fogo seja controlado o quanto antes e cause os menores danos ao local e à região”, diz a nota.

O Corpo de Bombeiros Militar de Goiás (CBMGO) divulgou, nas redes sociais, que atua com 30 militares para combater o fogo fora do Parque Nacional, enquanto voluntários fazem o trabalho na parte interna da área preservada. A corporação disse que algumas pontes foram destruídas pelas chamas, mas não deu detalhes sobre a área já atingida.

Segundo voluntários que trabalham no combate ao fogo, o incêndio na área da chapada acontece há mais de 20 dias, mas apenas ontem chegou ao parque. Paula Monteiro, 35 anos, está na brigada de São Jorge e conta que são cerca de 60 pessoas encarando o fogo na tentativa de preservar a área. Em 2017, ela também atuou nos incêndios que consumiram 35 mil hectares de vegetação. “Está pegando fogo em tudo quanto é canto, inclusive duas casas foram destruídas em uma comunidade de São Jorge”, lamenta. “Estamos nos mobilizando, também, para conseguir reconstruir.”

Paula está cuidando da logística para a arrecadação de doações da Rede Contra o Fogo, principalmente de alimentos e equipamentos de proteção individual (EPI). A campanha foi lançada ontem, com pontos de coleta em Brasília e em São Jorge (veja Onde doar). “As brigadas costumam trabalhar sete dias, para folgar outros sete, porque é muito desgastante. Mas, em 2017, por exemplo, teve gente trabalhando direto por três semanas”, lembra.

A intenção é conseguir lanches rápidos. “A gente leva algumas coisas para eles ficarem mais animados. Tentamos conseguir goiabada, refrigerante, isotônico, açaí, coisas que possam dar um gás a mais, porque, senão, ninguém dá conta.” Quem quiser, também pode fazer doações em dinheiro, mas a preferência é pelos materiais já comprados. “Graças à natureza, a chapada tem muitos admiradores e, com isso, tem gente que se disponibiliza a fazer um bate e volta só para trazer as doações.”

A reportagem procurou o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.


Onde doar

Em Brasília:
404 SUL
Renata Leal: 9 9253-5153

705 Norte
Vinicius: 9 8199-4915

206 Norte
Manifesto Coworking
3247-5284

Em São Jorge:
Pousada Shanti
(62) 9 9968-1569
Rua 3 Quadra 10 Lote 1

Em dinheiro:
Associação Rede Contra Fogo
Banco do Brasil
Ag 4546-2
Cc 12.326-9
CNPJ 29.216.266/0001-58

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação