Solidariedade

Empresas do DF fazem ações para salvar Kyara Lis

Mariana Machado - Cibele Moreira
postado em 02/10/2020 22:37 / atualizado em 02/10/2020 23:04
 (crédito: Minervino Junior/CB/D.A Press)
(crédito: Minervino Junior/CB/D.A Press)

Sensibilizados pela campanha da família de Kyara Lis em busca do remédio mais caro do mundo para tratar a Atrofia Muscular Espinhal (AME), duas empresas com lojas em Brasília tiveram a iniciativa de reverter a renda da venda de alguns produtos para a causa.

A Dunkin’ Donuts preparou uma ação para hoje nas lojas físicas do Distrito Federal. Um donut especial com a letra inicial de Kyara será preparado e todo o valor arrecadado vai para o tratamento da menina. Uma caixinha solidária ficará disponível para doações voluntárias.

A sorveteria Stonia Ice também abraçou a causa. Durante todo o mês de outubro, a cada venda do super milk de pipoca, será doado R$ 2 para a compra do remédio mais caro do mundo.

R$ 12 milhões

A menina de apenas 1 ano e um mês comoveu o país, que acompanha e torce por ela na luta contra a AME. A doença degenerativa ataca os neurônios, causando perda de movimentos de braços, pernas e pescoço, assim como dificuldades de respiração e deglutição.

Para sobreviver, ela precisa tomar o remédio mais caro do mundo, que custa R$ 12 milhões. A família solicitou ao Ministério da Saúde o fornecimento do medicamento, mas o pedido foi negado. Com isso, resta recurso junto ao Superior Tribunal de Justiça, que dará a decisão.

Desde o início da divulgação do caso, o movimento #TodosJuntospelaKyara se espalhou pelas redes sociais e conta com uma página de vaquinha virtual. Para saber mais, basta acessar o site www.cureakyara.com.br.

Artistas sensibilizaram-se e têm contribuído com a causa. A banda Jota Quest esteve em Brasília no início de setembro e presenteou Kyara Lis com um violão autografado pelos integrantes do grupo. O instrumento musical é usado em uma rifa on-line para completar a meta de arrecadação para a compra do medicamento.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação