Religião

Fiéis celebram Santa Edwiges, padroeira dos pobres e endividados

Paróquia Santa Cruz e Santa Edwiges, na 905 sul, reúne devotos em celebração dedicada à intercessora

Ana Maria da Silva*
postado em 16/10/2020 11:01 / atualizado em 16/10/2020 16:50
Conhecida como padroeira dos pobres e endividados, Santa Edwiges é homenageada em missas e novenas -  (crédito: Janine Moraes/CB/D.A Press)
Conhecida como padroeira dos pobres e endividados, Santa Edwiges é homenageada em missas e novenas - (crédito: Janine Moraes/CB/D.A Press)

Neste dia 16 de outubro, a Igreja celebra Santa Edwiges, conhecida como protetora dos pobres e endividados. A santa, celebrada pela sua história e vida de caridade, tem sido a esperança de muitos brasilienses que acabaram desempregados ou endividados devido à crise financeira surgida com a pandemia. Com o intuito de homenagear a padroeira, a Paróquia Santa Cruz e Santa Edwiges, na 905 sul, organizou uma programação especial.

A celebração, que ocorre desde o dia 7 de outubro, tem reunido diversos fiéis. Segundo o pároco da comunidade, Divino Alves Pereira, a novena - que teve fim na última quinta-feira (15/10) - contou com a presença de muitos devotos. Para o dia dedicado à Santa, os fiéis poderão prestar suas homenagens durante missas que ocorrem de hora em hora, das 6h às 20h.

Segundo o sacerdote, a igreja está estruturada para receber os fiéis, seguindo as normas sanitárias orientadas pela diocese. Para isso, foram dispostas barracas no local e as missas ocorrerão alternadamente, entre igreja e o salão. Assim, quando uma estiver sendo ocupada com a celebração o outro espaço estará passando por higienização. Ao todo, serão 15 missas ao longo do dia. “As missas estão bem concorridas e nós estamos bem organizados e estruturados para acolher os devotos nesse tempo de distanciamento, que devemos cuidar e zelar pela saúde do outro”, ressalta o padre.

De acordo com o sacerdote, o momento de pandemia trouxe dificuldades financeiras para a casa de muitos moradores da capital e, por isso, muitos procuram Santa Edwiges para pedir sua intercessão. “Ela tem muitos devotos porque nosso país está endividado, as pessoas estão doentes, sofrendo. Diante desse quadro que o mundo vive, Edwiges é uma santa que cada dia aumenta seus devotos. Ela se tornou uma santa muito presente nesse momento histórico que estamos vivendo, já que ela é a protetora dos pobres e endividados”, explica o pároco.

Padroeira dos pobres e endividados

Nascida no período Medieval, em 1174, Edwiges foi uma mulher que marcou seu tempo. De família nobre, rica, assistiu a miséria a tomar formas diferentes nas pessoas que conhecia, convivia e amava. Aos 12 anos, casou-se com Henrique, duque europeu. Tornou-se então princesa da Silésia, país de Lebuska, atual Polônia. Eeducada no catolicismo e dona de uma fé inabalável, Edwiges aproveitava as prolongadas ausências do marido, que saía para lutar nas guerras, para visitar famílias em condições de miséria e buscar o socorro para cada uma delas.

Nessas visitas, descobriu que os maiores problemas enfrentados pelas famílias estavam relacionados à falta de dinheiro. Sem ter como pagar as dívidas, muitos eram presos e suas famílias ficavam abandonadas, sem ter a quem recorrer. Edwiges pagava as dívidas dos presidiários com o dinheiro de seu dote. Na época, a família da noiva oferecia um dote ao noivo mas, no caso de Edwiges, o marido deixou que ela usasse o dinheiro como quisesse. 

A fé de Edwiges motivou muitos pedidos de pessoas ao seu redor e, depois de sua morte, alguns milagres foram reconhecidos pela Igreja Católica, que a declarou santa em 1.267. Até hoje, seu corpo é venerado no Convento de Trébnitz, na Polônia, e existem igrejas no mundo inteiro dedicadas à santa.

Significados e simbolismos

A imagem de Santa Edwiges tem vários símbolos importantes que ajudam a contar a história dela. Confira:

O hábito religioso: representa o momento em que ela entrou para o Mosteiro de Trebnitz, na Polônia, e passou a viver a vida religiosa. Mesmo lá, não deixou de ajudar os pobres e endividados, usando, também, o dinheiro do dote. A caridade foi a grande marca da santa.

A coroa na mão: possui dois significados. Primeiramente, simboliza a origem nobre e rica de Edwiges. Em segundo lugar, significa o casamento com um príncipe, o que fez dela uma princesa. A coroa representa a fortuna e o dinheiro usados a serviço de Deus, para o bem do próximo. É o símbolo de uma riqueza abençoada.

O livro na mão: representa a formação religiosa que ela teve e que transmitiu ao marido e aos filhos. A coroa sobre o livro significa que a riqueza dela estava apoiada sobre a fé, a caridade e os mandamentos de Deus.

A igreja na mão: a santa também é representada segurando uma igreja na mão direita, que representa uma ação concreta. Com o dote recebido, ela financiou a construção de igrejas e conventos em países como Polônia e Alemanha. Edwiges também oferecia empregos e sustento para um grande número de trabalhadores. Por isso, também é conhecida também como a protetora das famílias.

Fonte: Cruz Terra Santa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação