Crime

Homem e comparsa matam cunhado em Sobradinho

Rener da Silva Lopes é considerado foragido. Segundo investigações, ele teria ido tirar satisfações com a vítima, após saber das agressões que a irmã sofria

Darcianne Diogo
postado em 19/10/2020 18:30
A polícia divulgou a imagem de Rener da Silva Lopes para ajudar na localização  -  (crédito: PCDF/Divulgação)
A polícia divulgou a imagem de Rener da Silva Lopes para ajudar na localização - (crédito: PCDF/Divulgação)

Investigadores da 35ª Delegacia de Polícia (Sobradinho II) buscam por um homem acusado de matar o cunhado, com a ajuda de um amigo, na QMS de Sobradinho, na madrugada desta segunda-feira (19/10). Rener da Silva Lopes é alvo da operação Rache, deflagrada pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), e é considerado foragido.

Segundo o delegado-chefe da 35ª DP, João Ataliba, a vítima teria agredido a companheira, que é irmã de Rener, dias antes do crime. Por este motivo, o suspeito e o comparsa resolveram matar o rapaz. “Os autores foram até a casa onde o casal vivia e, após a vítima abrir a porta da residência, iniciou-se uma discussão. Em determinado momento, Rener sacou uma faca da cintura e passou a desferir diversos golpes contra o peito da vítima”, detalhou.

Mesmo ferido, o rapaz tentou fugir para os fundos do bar, mas acabou não resistindo aos ferimentos e morreu. De acordo com o investigador, após cometer o crime, a dupla se evadiu do local e levou a arma arma utilizada para matar o homem. Agentes da unidade policial conseguiram capturar um dos suspeitos horas depois. O homem estava em uma casa, na Vila Rabelo. Ele foi preso em flagrante e responderá por homicídio qualificado por motivo torpe (vingança) e pela impossibilidade de defesa da vítima.

Em depoimento à polícia, a mulher falou que havia sido agredida pela vítima há três dias. Contudo, não há registro de ocorrência por violência doméstica. Até a última atualização desta reportagem, Rener não havia sido localizado. A Polícia Civil divulgou as fotos do suspeito e pede para que, quem souber o paradeiro do suspeito, ligue para o número 197. A denúncia pode ser anônima.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação