Mega-Sena

Abrir negócio próprio é o sonho de apostadores da Mega-Sena

Concurso sorteia nesta terça-feira (20/10) R$ 29 milhões ao vencedor

Jéssica Moura
postado em 20/10/2020 14:39 / atualizado em 20/10/2020 14:41
A Mega-Sena está acumulada em R$ 29 milhões e sorteio corre nesta quarta -  (crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
A Mega-Sena está acumulada em R$ 29 milhões e sorteio corre nesta quarta - (crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A força do hábito, a intuição, ou até um palpite podem servir de gatilho para os brasilienses apostarem na sorte com um mesmo objetivo: o de se tornar o próximo milionário. Por isso, muitos recorreram às lotéricas nesta terça-feira (20/10) para concorrer ao prêmio de R$ 29 milhões da Mega-Sena.

Como ninguém acertou as dezenas do Concurso 2309 no último sábado (17/10), o valor acumulou. Para arriscar seis números, o custo é de R$ 4,50 e as apostas podem ser feitas até 19h nas lotéricas ou pela internet. A promotora de vendas Carla Galvão, 38 anos, já sabe em quais dezenas vai jogar: a data de aniversário dos três filhos. Ela diz que não costuma disputar os prêmios porque nunca conseguiu acertar mais de três números. Contudo, depois de sonhar que viajava para o exterior, acordou decidida a dar uma chance à sorte.

"Muita coisa: deixar uma reserva e comprar uma casa para cada um dos filhos. E segundo passear um pouco, a gente morre e não leva nada, ir para o Nordeste e Portugal. Já ia parar de trabalhar, ajudar a família e ter um sossego na vida". Carla diz que sonha também em ter um negócio próprio: "Mexer com loja infantil, abri um comércio com roupas mais em conta".

Já o vigilante José Luiz Lopes, 48, aposta na Mega-Sena há mais de 20 anos todas as quartas e sábados. O morador do Sol Nascente veio do Piauí para Brasília há 24 anos, e sonhava em comprar uma casa e arrumar um trabalho. "Moro no Sol Nascente, mas não gosto: ainda é chão batido, não tem asfalto, não tem nada, ainda não está regularizado".

Se levar o prêmio, ele já sonha com a vida nova: "Dar mais conforto para minha família". Lopes, que trabalha no Lago Sul, não se atrai pelo bairro, e quer continuar vivendo na Ceilândia: "Um lugar melhor, com três quartos, no centro da Ceilândia, se ganhasse ia comprar um carro automático". Ele diz que, se ganhar, pretende parar de trabalhar para os outros: "Trabalhar só para mim mesmo, e abrir um comércio, borracharia ou oficina. É o sonho do sonho".

Outra que comprou um bilhete foi a cobradora Elizângela Passos, 35, que mora em Samambaia. Quando chegou à lotérica sequer tinha intenção de apostar. "Me deram uma luz, perguntei se estava acumulada e resolvi jogar". Ainda assim, já sabe o que faria se levasse o dinheiro: "Quem sabe? Se eu ganhar, eu ia deixar de trabalhar e montar uma creche". Ela tem o hábito de olhar os números sorteados no último concurso para fazer suas apostas: "Para me basear".

Para quem ganhar a bolada, o gestor de investimentos, Carlos Rangel, da Triestor Consultoria, aconselha a "sempre investir em uma coisa que você conheça" e ressalta que é preciso se planejar para não perder todo o prêmio de uma vez. Por isso, ele orienta os apostadores a, no curto prazo, investir em produtos de renda fixa. "Você sabe o quanto vai receber ao longo do tempo e consegue programar o uso do dinheiro". Para o longo prazo, a recomendação é investir em ações. "Renda variável tem lastro em produção que, no longo prazo, tende a valorizar".

Se for bem administrado, ele diz que o vencedor pode parar de trabalhar. "R$ 29 milhões não é o problema. Isso não te aposenta. Se aposentar é o quanto você precisa por mês em relação ao seu patrimônio".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação