Imunização

Raiva: campanha chega à zona urbana e pets precisam tomar a vacina

Regiões do Distrito Federal vão ter locais de vacinação contra a raiva para cães e gatos. A imunização é de graça. Confira os pontos.

Correio Braziliense
postado em 22/10/2020 10:42
 (crédito: Breno Esaki/Agência Saúde)
(crédito: Breno Esaki/Agência Saúde)

Donos de cães e gatos devem se preparar para levar seus companheiros para vacinar contra a raiva. A segunda etapa da Campanha de Vacinação Antirrábica no Distrito Federal chegou na zona urbana. Riacho Fundo II, Samambaia e Santa Maria já iniciaram a vacinação. Fercal, Guará, Park Way, Recanto das Emas, Sobradinho e Riacho Fundo I começam a campanha esta semana. Confira o cronograma completo de vacinação com datas e horários na página da campanha na internet.

“Todos os cães e gatos acima de três meses de idade podem receber a vacina antirrábica, lembrando que os que receberem a dose pela primeira vez devem ser revacinados após 30 dias”, informa Rodrigo Menna, gerente de Vigilância Ambiental de Zoonoses.

Segundo o gerente, cada região administrativa terá programação própria, incluindo a vacinação aos sábados. “A campanha é uma forma de alcançarmos o maior número possível de cães e gatos. Apesar de não haver casos de raiva no Distrito Federal há muitos anos, é importante que os animais tomem a vacina anualmente e mantenham-se imunizados”, destaca.

A expectativa da Secretaria de Saúde é vacinar 80% dos pets, seja da cidade ou do campo. Estima-se que existam 345.033 animais, sendo 308.419 cães e 36.613 gatos.

Recomendações durante a vacinação

Na hora de levar os animais para vacinar, é necessário que a pessoa responsável pelo transporte tenha idade e porte adequados para o manejo e segurança. É recomendado levar os gatos dentro de caixas de transporte apropriadas. O dono do pet deverá usar máscara e será necessário manter o distanciamento na fila.

Além dos pontos distribuídos pelas regiões administrativas, a vacina fica disponível ao longo de todo o ano nos núcleos de Vigilância Ambiental regionais e na sede da Vigilância Ambiental, no Setor Noroeste.

A raiva no DF

O Distrito Federal não registra casos de raiva em humanos desde 1978. Em cães, o último caso diagnosticado foi em 2000 e, em gatos, em 2001. Apesar de não ter casos no DF, a enfermidade precisa ser tratada com seriedade. Dentre as doenças infecciosas de origem viral, a raiva é uma das mais perigosas, com índice de letalidade de 100%. Ela pode gerar uma encefalite aguda capaz de levar as vítimas ao óbito.

O vírus da raiva está presente na saliva de animais infectados e é transmitido, principalmente, por meio de mordidas e, eventualmente, por arranhões e lambidas de mucosas ou pele lesionada.

*Com informações da Agência de Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação