Sinpro promete luta contra retorno às aulas presenciais da rede pública

Para Sindicato dos Professores, não é possível comparar condições de retorno da rede pública e privada, e aulas presenciais colocariam milhares de vidas em risco

Alan Rios
postado em 24/10/2020 11:33
 (crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF) afirmou que vai atuar contra a decisão da Vara da Infância e da Juventude que determina o retorno presencial das aulas da rede pública de ensino. O sindicato recebeu a informação com surpresa e pontuou que não é possível comparar as condições de retorno da rede pública com a rede privada, que tem permissão para a volta escalonada dos alunos.

“Inclusive, muitas escolas da rede privada optaram por concluir o ano letivo só com as aulas remotas. Nós não compreendemos essa decisão, temos muita preocupação com isso e vamos fazer toda a luta necessária para que esse retorno não aconteça, porque o retorno da rede pública significa colocar milhares de vidas em risco”, disse a diretora do Sinpro Rosilene Corrêa.

A decisão publicada na última sexta-feira (23/10) pelo juiz Renato Scussel, da Vara da Infância e da Juventude, acolhe pedido do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Para o magistrado, é dever do estado assegurar à criança e ao adolescente o direito fundamental de acesso à educação.

“Sob este enfoque, o direito visa a uma prestação de fazer do Estado para que seja garantida a retomada das aulas presenciais para todas as crianças e adolescentes da rede pública de ensino do Distrito Federal, assegurando-lhes o direito precípuo de educação", afirma o juiz, na sentença.

A decisão prevê um prazo de cinco dias para que o Governo do Distrito Federal (GDF) apresente um plano de retorno gradual das atividades presenciais nas creches, ensino infantil, fundamental e médio, de forma escalonada. O Correio apurou que o GDF recorrerá da decisão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação