MERCADO

Brasilienses sofrem com a inflação, que deve bater recorde em outubro

Pandemia alterou a dinâmica de importações e exportações, e Distrito Federal vive alta de preços em alimentos e transporte. Previsão é de que neste mês seja registrada a maior variação mensal no ano, com alta de 0,89%

Alan Rios
Caroline Cintra
postado em 28/10/2020 06:00 / atualizado em 28/10/2020 06:40
 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Além de enfrentar a pandemia do novo coronavírus, os brasilienses têm de driblar os efeitos da crise com a alta de preços dos alimentos. Segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), divulgado na última semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a previsão é de que neste mês seja registrada a maior variação mensal da inflação no ano, com alta de 0,89%, o maior índice para um mês de outubro desde 2015.

O grupo alimentação e bebidas também tem destaque nos aumentos, com 1,95%. Produtos básicos consumidos diariamente, como arroz, óleo e verduras, estão entre os que mais pesam no bolso. Para que as compras do mês não extrapolem os orçamentos, muitas pessoas buscam alternativas ou substituem ingredientes mais caros por outros mais em conta.

Os preços para o cálculo de previsão do IPCA-15 de outubro deste ano foram coletados entre 12 de setembro e 13 de outubro, e comparados com os dados vigentes entre 14 de agosto e 11 de setembro. O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimo. Os alimentos em domicílio ganham destaques no cálculo do índice geral. Ingredientes como óleo de soja (23,10%), arroz (15,37%), tomate (15,20%) e cenoura (10,45%) saem na frente como os que sofreram maior alta no preço, em comparação com o mês anterior.

Para César Bergo, presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon-DF), é preciso entender o conceito dos dados. “Não podemos confundir um aumento de preços com inflação, pois ela ocorre quando há um aumento generalizado. A pesquisa do IBGE foi feita com base em cesta básica de produtos, em relação ao preço do varejo. E devemos lembrar, também, que há itens que todo ano acabam subindo de preço, porque não são da época, como o tomate ou a cenoura”, pontua.

O economista explica que essas altas estão relacionadas ao momento atual do país e do mundo. “Alguns produtos ficam escassos, e funciona a lei da demanda e oferta. Para o consumidor, tem-se observado que os óleos e arroz têm aumentado em função do mercado internacional, porque o produtor nacional exporta mais, até por conta da subida do dólar, que acaba gerando mais lucro, e há um desabastecimento do mercado interno. Também há a questão dos aumentos de preços de mercados, que observam a maior procura e tentam compensar outras perdas. O leite e a carne estão em impacto elevado, aquecidos por conta da demanda internacional, pois a China agora está comprando do mundo inteiro, após a redução de produção nacional durante a pandemia”, sintetiza.

O preço do arroz foi tema de bate-boca envolvendo o presidente Jair Bolsonaro, domingo passado, na Feira do Cruzeiro. Um dos populares pediu para Bolsonaro baixar o preço do produto. O presidente disparou: "Tu quer que eu baixe na canetada? Você quer que eu tabele? Se você quer que eu tabele, eu tabelo. Mas você vai comprar lá na Venezuela”.

No bolso

O especialista também aconselha: gastar sola de sapato na busca pelo menor preço continua sendo uma boa estratégia. É isso que faz Luciene Chaves, 57 anos. A moradora do Cruzeiro diz que sentiu muita diferença nas compras. “Tudo subiu muito, mas percebi mais aumento de preços do leite, da carne, do arroz e do óleo. O arroz estou encontrando de R$ 25 a R$ 30, o pacote de 5kg. A compra do mês, para três pessoas da família, dá hoje R$ 700. Por isso, pesquiso para saber qual está mais barato”, relata a professora aposentada.

Marcos Alberto Oliveira, 60, faz compras semanais. “Gasto em média R$ 120, para duas pessoas. O tomate subiu muito. Antes eu levava uns seis, agora levo dois. O óleo dobrou de preço”, detalha o servidor público.

Alimentação saudável

Embora a combinação do tradicional arroz com feijão seja uma ótima fonte de energia, carboidratos complexos, proteína de alto valor biológico, vitaminas, minerais e fibras, a nutricionista Camila Pedrosa explica que há alternativas. “O arroz pode ser facilmente substituído na alimentação, tanto em termos de energia como em nutrientes. No Brasil temos a vantagem de ter uma grande variedade de cereais e vegetais com uma diversidade de nutrientes. Então, a substituição do arroz não será prejudicial se for escolhido um substituto com bom valor nutricional”, ressaltou.

Entre os alimentos indicados pela especialista para substituir o arroz estão os tubérculos, como mandioca, batatas doce, inglesa e baroa, e inhame. Além deles, entram o milho — grão e farinha —, farinha de mandioca, macarrão integral, purês e cuscuz.

IPCA-15

Período Taxa
Outubro de 2020 0,89%
Setembro de 2020 0,70%
Outubro de 2019 0,20%
Acumulado no ano 1,72%

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação