Rede de Controle da Gestão Pública

Rede formada por órgãos do DF se reúne para falar de repressão à corrupção

Durante a reunião, integrantes debateram a prorrogação do mandato do Gabinete de Gestão Integrada (GGI)

Correio Braziliense
postado em 29/10/2020 13:15 / atualizado em 29/10/2020 13:15
 (crédito: PAULO H. CARVALHO/CB/D.A PRESS)
(crédito: PAULO H. CARVALHO/CB/D.A PRESS)

Na última terça-feira (27/10), foi realizada uma reunião plenária entre os integrantes da Rede de Controle da Gestão Pública do Distrito Federal. Na pauta, o grupo debateu a prorrogação do mandato do Gabinete de Gestão Integrada (GGI) e temas relacionados à atuação dos grupos de trabalho.

Devido à situação atípica causada pela pandemia da covid-19, o mandato do GGI foi prorrogado por 30 dias após o fim do estado de emergência no DF. A nova eleição para o gabinete será realizada na primeira reunião plenária da rede em 2021.

Segundo a promotora de justiça e atual coordenadora da rede, Lenna Daher, o ano de trabalho tem sido intenso para todos os órgãos de controle. “Em virtude da pandemia, a fiscalização de contratos, a atuação em defesa da transparência dos atos públicos e de gastos emergenciais são aspectos que o Ministério Público (MPDFT) e os demais órgãos de controle assumiram como compromisso com a sociedade do DF”, destacou.

Durante o encontro, também foi decidida a prorrogação, por mais um ano, dos grupos de trabalho de caráter fiscalizatório. Além disso, o grupo de trabalho Capacitação passou a ser permanente, tendo em vista a necessidade constante de investimento na qualificação dos integrantes da Rede.

Sobre a rede

Criada em 8 de dezembro de 2016, a Rede de Controle da Gestão Pública do Distrito Federal tem como objetivo integrar os órgãos de investigação e controle para estabelecer práticas uniformes de diagnóstico, prevenção e repressão à corrupção. Participam da rede o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), o Ministério Público de Contas do DF (MPC/DF), o Tribunal de Contas do DF (TCDF), a Controladoria-Geral do DF (CGDF), a Secretaria de Fazenda (SEF/DF) e a Polícia Civil (PCDF).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação