Morte Agente penitenciário

Agente penitenciário morre após tiro acidental de colega de trabalho

Ele e outro agente faziam uma manutenção no percursor da arma. O tiro atingiu as costas. O caso aconteceu em Santo Antônio do Descoberto (GO)

Thalyta Guerra*
postado em 30/10/2020 12:18 / atualizado em 30/10/2020 12:18
O disparo acidental aconteceu quando os agentes limpavam a arma -  (crédito: Redes sociais)
O disparo acidental aconteceu quando os agentes limpavam a arma - (crédito: Redes sociais)

O policial penal Jailton Barbo Ferreira, 44 anos, morreu após ser atingindo por um tiro nas costas, disparado acidentalmente por um colega de trabalho, nesta quinta-feira (29/10). Ele trabalhava na Unidade Prisional Regional (UPR) de Santo Antônio do Descoberto (GO). Jailton atuava no sistema prisional goiano desde 2003, mas somente há 40 dias havia sido transferido para esta unidade.

Ao Correio, o presidente do Sindicato dos Servidores do Sistema de Execução Penal do Estado de Goiás (SINSEP-GO), Maxsuell Miranda das Neves, afirmou que Jailton e outro agente faziam a manutenção no percursor da arma e não perceberam que havia uma munição dentro dela. Ele chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), mas quando a equipe chegou já estava morto.

Ainda de acordo com Maxsuell, o policial penal que disparou a arma se apresentou à delegacia e foi liberado. "Ele está em estado de choque, nós iremos apoiar a família de Jailton e daremos apoio psicológico ao servidor envolvido. Também será instaurado um processo administrativo para investigar o caso", explica.

Jailton deixou a esposa e uma filha de oito anos."A equipe está muito abalada, ele era um servidor extraordinário, muito competente. Tinha muitos amigos e era uma pessoa muito amada e alegre", lamenta Maxsuell.

Por meio de nota, a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) confirmou o falecimento do policial e prestou solidariedade aos familiares. "A instituição informa que foram tomadas as devidas providências para as apurações necessárias".

*Estagiária sob supervisão de Nahima Maciel

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação