Casa da Mulher Brasileira

Casa da Mulher Brasileira será transferida para Ceilândia

Governo do Distrito Federal (GDF) publicou edital de chamamento para locação de imóvel na região administrativa. Contrato terá duração de 24 meses

Correio Braziliense
postado em 12/11/2020 00:09
 (crédito: Gustavo Moreno/CB/D.A Press - 24/6/2016)
(crédito: Gustavo Moreno/CB/D.A Press - 24/6/2016)

A Casa da Mulher Brasileira, interditada desde abril de 2018 por determinação da Defesa Civil, ganhará novo endereço. Nesta quarta-feira (11/11), foi publicado no Diário Oficial do Distrito Federal, o edital de chamamento para locação de um imóvel em Ceilândia. O contrato inicial será de 24 meses, a partir da assinatura, com possibilidade de ser prorrogado. A propriedade deverá ter área útil entre 1,9 mil a 2,3 mil metros quadrados.

Os interessados têm 10 dias para apresentar as propostas e fica à cargo da Secretaria da Mulher optar pelo imóvel que melhor atenda às necessidades. O edital está disponível no site da pasta.

O prédio atual, na Asa Norte, apresentou problemas estruturais. Em setembro do ano passado, a ministra Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, divulgou um vídeo institucional afirmando que o edifício passaria por reformas inicialmente orçadas em R$ 12 milhões.

Contudo, como não há previsão para o início, e tendo em vista a necessidade de um equipamento de atendimento multidisciplinar para mulheres em situação de risco, a Secretaria da Mulher optou pela transferência de endereço.

Atendimento humanizado

A proposta da Casa da Mulher Brasileira é oferecer, em um mesmo espaço, diferentes serviços especializados para atendimento nos mais diversos tipos de violência contra a mulher. É oferecido acolhimento, triagem e apoio psicossocial.

O espaço conta ainda com uma delegacia, juizado especializado em violência doméstica e familiar contra mulheres, Ministério Público, Defensoria Pública, Serviço de Promoção de Autonomia Econômica, brinquedoteca para as crianças, alojamento de passagem e central de transportes.

*Com informações da Secretaria da Mulher

Onde pedir ajuda?

Em caso de violência contra a mulher, veja onde buscar atendimento:

Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência — Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República
Telefone: 180 (disque-denúncia)

Centro de Atendimento à Mulher (Ceam)
De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h
Locais: 102 Sul (Estação do Metrô), Ceilândia, Planaltina

Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam)
Entrequadra 204/205 Sul - Asa Sul / (61) 3207-6172
QNM 2, Conjunto G, Área Especial, Ceilândia Centro / 3207-7391

Disque 100 — Ministério dos Direitos Humanos
Telefone: 100

Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar**
Telefones: (61) 3910-1349 / (61) 3910-1350

Tipos de violência

Nem todos sabem, mas a violência contra a mulher vai muito além de agressões, estupros e assassinatos. A Lei Maria da Penha sancionada em 2006, classifica em cinco categorias os tipos de abuso cometido contra o sexo feminino, são eles: violência física, violência moral, violência sexual, violência patrimonial e violência psicológica.

Além das violências físicas mais conhecidas como as agressões, estão também enquadradas na primeira categoria ações como atirar objetos com a intenção de machucar a mulher, apertar os braços, sacudi-la e segurá-la com força.

A violência moral está atrelada ao constrangimento que o agressor pode causar a vítima como expor a vida íntima do casal para outras pessoas e o vazamento de fotos íntimas na Internet. Calúnias, difamação ou injúria também fazem parte desse tipo de violência.

Diferentemente do que muitos podem pensar, a violência sexual não se resume a forçar uma relação íntima . Obrigar a mulher a fazer atos que a causem desconforto, impedi-la de usar métodos contraceptivos, ou a abortar, também são considerados formas de opressão.

Controlar os bens , guardar ou tirar dinheiro sem autorização da mesma, e causar danos de propósito em objetos são alguns exemplos de violência patrimonial.

Por fim, a violência psicológica consiste em diminuir a autoestima da mulher, sendo com humilhações, xingamentos, desvalorização moral que implicam em violência emocional. Tirar direitos de decisão e restringir liberdade também fazem parte da última categoria.

Fonte: Agência Patrícia Galvão

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação