Câncer de Mama

Câncer de mama: especialistas reforçam a importância da prevenção

Evento da Femama discute questões relacionadas à doença a fim de conscientizar e mobilizar ações efetivas que visam melhorar a saúde das mulheres no Brasil

Ana Maria da Silva*
postado em 24/11/2020 17:05 / atualizado em 09/09/2021 19:02
 (crédito: Anne-Christine Poujoulat/AFP)
(crédito: Anne-Christine Poujoulat/AFP)

O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres. Em 2020, o Brasil registrou um aumento de 29,7% dos casos em mulheres, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). No Distrito Federal, cerca de 3 mil pacientes estão em tratamento de câncer de mama atualmente, conforme explica a Secretaria de Saúde. Mas a prevenção e detecção precoce são essenciais para reduzir o índice de mortalidade da doença.

Segundo a oncologista clínica do Hospital Santa Lúcia Patrícia Schorn, a prevenção do câncer de mama é um conjunto de estratégias utilizadas para fazer diagnóstico precoce da doença. “Nós utilizamos essas estratégias porque o conceito da prevenção se baseia na situação de que quanto menor a doença diagnosticada, maior é a chance de cura e menos traumático é o tratamento”, acredita.

A especialista afirma que a prevenção e detecção da doença andam de mãos dadas. “A gente não tem uma diferença pontual quando estamos falando de intervenção com exames, mas quando falamos sobre mudança de hábito de vida sim. Por exemplo, não fumar, não beber, ter uma vida com exercícios, fugir do sedentarismo, e ter uma alimentação balanceada, tentando evitar as comidas industrializadas, os alimentos com muitos corantes e conservantes”, cita.

"Além disso, reconhecemos que a amamentação é um fator de proteção. Então é importante que as mulheres que engravidam amamentam. Quando se mantém um estilo de vida saudável, estamos fazendo uma prevenção de vários tipos de câncer, inclusive o câncer de mama, porque nós estamos adotando medidas de saúde para que o corpo não adoeça. Isso é diferente de campanhas de exames, como a mamografia, cujo o objetivo é detecção precoce, porque quando mais cedo identificamos, mais cura e menos sofrimento existe”, adverte a médica.

Existem dois tipos de prevenção: com exames e referente à mudança de hábitos para obter-se qualidade de vida. “Quando falo de exames, me refiro aquilo que somente se antecipa, quando falo de mudança de hábito de vida eu digo o que se evita”, relata. Do ponto de vista de prevenção e investigação, mulheres que têm fatores de risco devem iniciar as mamografias pelo menos uma vez ao ano, a partir dos 35 anos de idade. Mulheres que não tem, a partir dos 40. O principal fator de risco do câncer é o histórico familiar, principalmente, quando parentes de primeiro grau são acometidas pela doença", completa.

Superação

Diagnosticada em agosto de 2018 com três tipos de câncer na mama, a recepcionista Maria de Fátima Cardoso de Oliveira, 47 anos, lembra suas frustrações ao receber a notícia. “Você tem medo do tratamento, de morrer”, recorda. Apesar dos anseios, a coragem falou mais alto. “Eu descobri uma força que não sabia existir. No começo, quando descobri, foi muito difícil. Fiquei uma semana triste, apreensiva, angustiada. E quando você recebe esse diagnóstico, ou luta pela sua vida com fé e esperança, ou para e se entrega. Escolhi a primeira, como acho que todos devem escolher fazer”, ressalta.


Ainda em tratamento, Maria ressalta a importância da prevenção e manda um recado: “Salvem a vida de vocês. É muito importante fazer a mamografia e a sonografia, porque se você descobre no começo, tem como cuidar e há uma chance maior de tratamento”, afirma. “Meu recado é esse: se amem, se toquem, se previnam”, completa a recepcionista.

Diagnosticada em agosto de 2018 com três tipos de câncer na mama, a recepcionista Maria de Fátima Cardoso de Oliveira, 47 anos, reforça a importância do autocuidado
Diagnosticada em agosto de 2018 com três tipos de câncer na mama, a recepcionista Maria de Fátima Cardoso de Oliveira, 47 anos, reforça a importância do autocuidado (foto: Arquivo Pessoal)

Prevenção em pauta

A partir de hoje (25), a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) promove o 7º Fórum de Combate ao Câncer da Mulher. O evento ocorre anualmente com programação pensada para profissionais de saúde e da gestão pública, pacientes, cuidadores, acadêmicos da área de saúde e para as 70 organizações não-governamentais (ONGs) associadas à federação.

O objetivo do evento é discutir questões relacionadas ao câncer de mama, a fim de conscientizar e mobilizar ações efetivas que visam melhorar a saúde das mulheres no Brasil. Este ano, por conta da pandemia causada pelo coronavírus, o evento acontecerá virtualmente, no formato ao vivo e com participação gratuita. Para o primeiro dia, o fio condutor das conversas será o diagnóstico precoce do câncer e a lei dos 30 dias. Amanhã, os temas tratam de câncer hereditário, oncogenética e medicina personalizada.

(foto: Sabin)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE