Luto

"Além de ser um homem público especial, era um pai maravilhoso", lamenta a filha de Frejat

O corpo do ex-secretário de Saúde e ex-deputado federal Jofran Frejat foi velado, na tarde desta terça-feira (24/11), no cemitério Campo da Esperança. Ele faleceu nesta segunda-feira (23/11), vítima de câncer no pulmão

Bárbara Fragoso
postado em 24/11/2020 17:57 / atualizado em 24/11/2020 21:46
 (crédito: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
(crédito: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)

Cerca de 300 pessoas estiveram presentes no velório do ex-secretário de Saúde e ex-deputado federal Jofran Frejat, na tarde desta terça-feira (24/11), no cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul. A cerimônia encerrou às 17h. O corpo de Frejat segue para Valparaíso de Goiás-GO para ser cremado. Internado desde a última terça-feira (17/11), com câncer no pulmão, ele descobriu um nódulo no pulmão em outubro deste ano durante tratamento de um cálculo renal. Frejat veio a óbito na noite dessa segunda-feira (23/11)

"É uma perda muito grande. Além de ser um homem público especial, era um pai maravilhoso. Muito protetor, amigo , carinhoso e amoroso. A família inteira estava acompanhando ele no hospital, incluindo esposa, filhos sobrinhos e amigos. Foi uma corrente muito grande de ajuda. Esses últimos 20 dias foram muito sofridos", lamentou a filha Graziela Frejat.

Para o vice-governador Paco Britto (Avante),Frejat é um ícone, uma pessoa respeitada por qualquer oposição. "Ele não é apenas um exemplo de homem público, é um exemplo pela trajetória de vida como um todo”, ressaltou.

Homenagens

O ex-governador do DF José Roberto Arruda lembrou com gratidão da amizade com Frejat. "A gente fica triste. Trabalhei muito com ele. Nesses momentos, vemos que todos estamos de passagem. Ele deixou um legado de muito trabalho e de muito respeito. Era uma pessoa admirável”, disse.

A deputada federal Flávia Arruda (PL) ressaltou que Frejat fez amigos por onde passou. "Criou relações na área da saúde. É respeitado por todos como alguém que deixou a marca e todo o legado dele. Construiu boa parte do sistema de saúde. Implementou a fundação de saúde, que era muito pertinente a ele. Deixa um vazio, mas sinto gratidão por ter convivido com alguém como ele.”

Tadeu Filippelli, ex-vice-governador do Distrito Federal, recordou o período que trabalharam juntos, no mandato do ex-governador Roriz. "Pela admiração e respeito que tinha, cheguei a apoiá-lo nas últimas eleições ao governo, mas que por circunstâncias políticas, acabou retirando a candidatura. Também representou o DF no Congresso Nacional, como deputado federal por cinco mandatos.”

O comentarista Alexandre Garcia destacou que o médico era um político exemplar. "Sempre votei nele. Como amigo dele, eu insistia para que se candidatasse a governador e ele me explicava que não dependia da vontade dele, mas da vontade de todos. Era um homem conciliador.”

"Tivemos um ótimo papo há pouco tempo. Sinto muito essa perda. Era uma pessoa decente e preocupada verdadeiramente com o bem público", disse o senador José Reguffe.

“Grande secretário de Saúde do DF, cidadão decente e dedicado ao povo do DF. Que Deus o receba em seu infinito amor e conforte sua família e amigos!”, ressaltou a deputada federal Bia Kicis.

Para Rafael Prudente, presidente da CLDF, Brasília perdeu um grande líder e cidadão. "Jofran Frejat construiu uma história com muito trabalho, dedicação e sempre colocou a sinceridade e a ética acima de qualquer negociação ou acordo politico."

Claudio Abrantes, deputado distrital, apontou sobre o amplo trabalho do político na cidade. "Jofran Frejat foi um dos políticos mais importantes da capital, e um dos legados que deixa é a criação da Escola Superior de Ciências da Saúde do DF (ESCS).”

“Cresci com o Frejat dentro de casa. Era uma pessoa que estava sempre com o meu avô. É como se eu tivesse perdido um tio. Quando me ligaram, eu preferia acreditar que a notícia não era de verdade. A situação do Frejat era muito parecida com a do meu avô, lutando contra o câncer", desabafou Joaquim Roriz Neto, neto do ex-governador Joaquim Roriz. 

Trajetória

Jofran Frejat nasceu em Floriano (PI), em 19 de maio de 1937. Transferiu-se para o Rio de Janeiro em 1957, quando ingressou na Faculdade Nacional de Medicina do Rio de Janeiro. Após concluir o curso, em 1962, mudou-se para Brasília.

Entre 1973 e 1979 foi diretor do Instituto Médico-Legal de Brasília e no ano seguinte foi nomeado para o cargo de secretário de Saúde do Distrito Federal, no governo de Aimé Lamaison (1979-1982), ocupado até 1983. O médico foi deputado por cinco mandatos, sendo um deles como constituinte. Assumiu a secretaria de Saúde do DF por quatro vezes entre os anos de 1979 e 2002. Também foi o fundador da Escola Superior de Ciência da Saúde (ESCS), mantida pela Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (Fepecs).

Colaboraram Ana Maria Campos, Thais Umbelino e Washington Luiz

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE