13º SALÁRIO

Comércio estima que 13º vai injetar R$ 5,6 bilhões na economia do DF

Brinquedos, roupas, calçados, itens para o lar, eletrodomésticos e, principalmente, celulares devem ser os produtos mais procurados

Correio Braziliense
postado em 25/11/2020 06:00
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

O fim de ano se aproxima e, com ele, o aguardado 13º salário. Pesquisa da Confederação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF) estima que o abono injete R$ 5,6 bilhões na economia do Distrito Federal. Outro levantamento, do Sindicato do Comércio Varejista (Sindivarejista-DF), indica que 61% dos consumidores devem usar o dinheiro para pagar dívidas, e 32% devem gastar a quantia no comércio. Os outros 7% estão indecisos sobre o que fazer com o pagamento.

Brinquedos, roupas, calçados, itens para o lar, eletrodomésticos e, principalmente, celulares devem ser os produtos mais procurados, segundo o sindicato. A estimativa é de que o gasto médio com presentes fique entre R$ 190 e R$ 200. No ano passado, a média registrada foi de R$ 263. “O comércio espera que as vendas cresçam 3% em comparação aos 5% do ano passado. A previsão é de que elas sejam menores, o que é razoável dadas as circunstâncias. O 13º vai tapar parte do buraco da pandemia”, afirma o presidente do Sindivarejista-DF, Edson de Castro.

Outra mudança no cenário deve ser a alta das compras pela internet, impulsionadas pela necessidade de manutenção do distanciamento social. A Fecomércio-DF espera que esse tipo de venda aumente em 30% no fim do ano. Para o Sindivarejista-DF, cerca de metade das transações do período devem ocorrer on-line.

No início do mês, a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), feita pela Fecomércio-DF, mostrou que 58% das famílias da capital federal estão endividadas. No mesmo período do ano passado, a taxa era de 80,8%. A inadimplência, por outro lado, aumentou: em outubro, havia cerca de 157 mil famílias com contas em atraso; neste mês, esse total subiu para 161 mil.

Mesmo assim, a expectativa da Fecomércio-DF é de que a sobra do 13º acabe no comércio. “As dívidas diminuíram, então o potencial de compra aumentou. Nossa perspectiva é otimista. Ainda que o cenário não seja um cenário assim, porque as pessoas estão preocupadas e com medo de gastar. Elas não sabem se haverá segunda onda, se tudo vai fechar de novo, principalmente o empresário que investiu”, avalia o presidente da federação no DF, Francisco Maia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE