Assistência

Prato Cheio repassou mais de R$ 7,84 milhões a famílias do DF

Sexta parcela do auxílio foi paga na sexta-feira (4/12). Até o momento, 31.392 famílias em risco social e nutricional foram atendidas

Correio Braziliense
postado em 07/12/2020 18:42 / atualizado em 07/12/2020 18:42
 (crédito: Divulgação/Sedes)
(crédito: Divulgação/Sedes)

Na última sexta-feira (4/12), a Secretaria de Desenvolvimento Social do Distrito Federal (Sedes-DF) pagou a sexta parcela do auxílio emergencial Prato Cheio. O benefício de R$ 250 tem como objetivo ajudar as famílias atendidas pela rede de proteção social do DF na aquisição de alimentos. Até agora, o programa atendeu 31.392 famílias e registrou o repasse de mais de R$ 7,84 milhões.

Segundo a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha, o Prato Cheio é considerado um programa de referência na área de segurança alimentar, voltado para pessoas em risco social e nutricional. “Já são seis meses que o benefício é pago sem interrupções. Isso mostra que toda a equipe da Sedes, como também da área econômica do governo, está comprometida em garantir os direitos das pessoas em vulnerabilidade neste momento de pandemia”, destacou a secretária.

Anteriormente, a pasta atendia cerca de oito mil famílias com a distribuição de cestas de alimento in natura, mas, a partir de maio, devido ao início da pandemia, passou a utilizar o cartão do Prato Cheio como forma de assistência às famílias. O cartão do benefício não é habilitado para o saque do dinheiro e só pode ser usado nos comércios de produtos alimentícios.

Ainda de acordo com a secretaria, a equipe técnica vem trabalhando em propostas para ampliar a concessão do auxílio. A ideia é priorizar as famílias beneficiárias que sejam monoparentais, chefiadas por mulheres com crianças de 0 a 6 anos; famílias com pessoas com deficiência; famílias com pessoas idosas; e pessoas em situação de rua.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE