Pandemia

Hospitais públicos continuam autorizados a realizar cirurgias eletivas

Secretaria de Saúde avalia semanalmente o cenário epidemiológico da pandemia no DF para seguir com os procedimentos eletivos. Portanto, a decisão é válida até a próxima segunda-feira (21/12)

Correio Braziliense
postado em 14/12/2020 21:15
 (crédito: Artur Tumasjan/Unsplash)
(crédito: Artur Tumasjan/Unsplash)

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) mantém a realização das cirurgias eletivas na rede pública de saúde do DF, previamente autorizadas em 2 de dezembro. A decisão está em vigor até a segunda-feira (21/12), quando a pasta reavaliará o cenário epidemiológico da pandemia na capital para decidir se seguirá com as operações.

Um dos critérios técnicos para manter a autorização é a taxa de ocupação dos leitos com suporte de ventilação mecânica para atender pacientes com a covid-19. Na tarde desta segunda-feira (14/12), por exemplo, este índice estava em 64,86%.

A manutenção dessas cirurgias eletivas visa garantir tanto os atendimentos às outras enfermidades diferentes do coronavírus, quanto manter a segurança necessária durante a pandemia. Por isso, essa medida será avaliada semanalmente, conforme a situação no DF.

A retomada dos procedimentos englobam as especialidades pediátrica, ortopédica, plástica, geral e coloproctologia. Em outubro e novembro voltaram a ser feitos procedimentos oftalmológicos, urológicos, ginecológicos e vasculares. No entanto, a SES-DF realizou os procedimentos cirúrgicos oncológicos, cardiovasculares, transplantes e judicializadas durante todo o período em que as cirurgias eletivas estavam suspensas.

Números

Mesmo com a pandemia, vários hospitais públicos conseguiram aumentar a produção cirúrgica ao longo dos últimos meses, quando comparado com o mesmo período de 2019. O Hospital da Região Leste, no Paranoá, aumentou a produção em 23%, fazendo 875 cirurgias gerais até outubro de 2020, enquanto que em 2019, nos mesmos meses, foram 709 procedimentos.

O Hospital Regional de Taguatinga (HRT) fez, entre janeiro e setembro deste ano, 280 cirurgias gineco-oncológicas. Foram 100 procedimentos a mais que no mesmo período de 2019, o que representa um crescimento de 56% na produção de cirurgias da unidade.

O Hospital Regional de Ceilândia (HRC) promoveu uma força-tarefa, em outubro, que resultou em 196 cirurgias ortopédicas, representando um aumento de 21% em relação ao mesmo mês em 2019, quando foram realizadas 162 cirurgias.

*Com informações da Secretaria de Saúde

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE