Coronavírus

Covid-19: Conselho de Saúde do DF recomenda aumento de restrições

Especialistas indicam que segunda onda do coronavírus está começando no Distrito Federal

Jéssica Moura
postado em 16/12/2020 09:38
O DF estaria no início da uma segunda onda de contaminações por coronavírus -  (crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
O DF estaria no início da uma segunda onda de contaminações por coronavírus - (crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Diante do aumento das infecções pelo novo coronavírus no Distrito Federal, o Conselho de Saúde publicou uma resolução em que se posiciona contra a liberação total das atividades econômicas enquanto a pandemia estiver em avanço na capital federal. A medida foi publicada nesta quarta-feira (16/12) no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF).

No ato, o Conselho ressalta preocupação em relação à reabertura das escolas para as aulas presenciais, que ocorreu em outubro. Para o Conselho, a retomada das atividades em sala de aula só deveria ocorrer quando houver "o real declínio do patamar de casos e óbitos por covid-19 no Distrito Federal".

O Conselho também quer que a fiscalização quanto ao uso de máscaras, obrigatórias no DF, seja reforçada. Outra orientação é para que o governo adote medidas para diminuir a circulação de veículos e pessoas nos espaços públicos, de modo a reduzir as aglomerações.

O Conselho de Saúde desaconselha a flexibilização do isolamento social diante de três fatores: curva crescente de casos ou altos patamares de casos e mortes; taxa de reprodução do vírus acima de 1 (o que indica avanço das contaminações); e taxa de ocupação de leitos acima de 80%.

Segundo os dados do Painel Covid-19, a taxa de ocupação de leitos públicos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) para tratamento desses pacientes é de 68,7% nesta quarta. Nas últimas 24h, o DF registrou 737 novos casos da doença e acumula 4.095 mortes. A taxa R(t) está em 0,98.

O texto ainda indica que é necessária uma "imediata mudança no foco do manejo da pandemia". Assim, os conselheiros sinalizam que as ações de vigilância epidemiológica devem ser priorizadas, como a busca ativa de brasilienses para diagnóstico dos casos e interrupção da cadeia de transmissão do vírus. Dessa forma, seria possível isolar os contatos de pessoas infectadas pelo coronavírus, evitando que a doença se espalhasse.

Nesse sentido, o Conselho pontua que é preciso aumentar a quantidade de testes rápidos para diagnóstico da covid-19 na rede pública. O grupo recomenda que mesmo as pessoas que não tenham sintomas sejam testadas nos postos de saúde. O estoque atual é de 132 mil testes rápidos.

No início de dezembro, a Secretaria de Saúde deu início ao inquérito epidemiológico da doença na capital federal. A investigação pretende mapear o espalhamento da covid-19 no DF. Para tanto, a pasta vai testar 230 moradores em cada uma das 33 regiões administrativas participantes. O processo começou em Ceilândia, que concentra a maior parte das infecções.

O Conselho de Saúde ainda alerta para as condições de trabalho dos profissionais de saúde, que atuam na linha de frente do combate ao vírus, e que deveriam contar "com apoio de infraestrutura, de equipamentos, de insumos", de modo a preservar a saúde física e mental desses trabalhadores.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE