CB.Poder

Fake news vão atrasar solução para a crise, diz infectologista Valéria Paes

A médica e professora da Universidade de Brasília (UnB) também afirmou que, mesmo após chegada das vacinas, será necessário manter medidas de segurança sanitária e distanciamento social

Samara Schwingel
postado em 28/12/2020 15:36 / atualizado em 28/12/2020 18:37
Valéria Paes participou do programa CB.Poder, nesta segunda-feira (28/12) -  (crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
Valéria Paes participou do programa CB.Poder, nesta segunda-feira (28/12) - (crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

O programa CB.Poder, parceria do Correio com a TV Brasília, recebeu Valéria Paes, infectologista e professora da Universidade de Brasília (UnB), na tarde desta segunda-feira (28/12). Na entrevista, a médica falou sobre a expectativa em relação às vacinas contra a covid-19 e a disseminação de fake news em torno desse processo.

A professora, que também é coordenadora de Infecção Hospitalar do Hospital Sírio-Libanês em Brasília, afirmou que o negacionismo crescente em torno do processo de vacinação é consequência, principalmente, da quantidade de desinformação — fake news — que circulam diariamente. "É a primeira pandemia dos tempos modernos, em que temos uma agilidade de comunicação muito forte. Vejo isso como um anseio das pessoas de entender (a crise), e temos de ter a habilidade de explicar", disse.

Caso contrário, as fake news poderão atrasar a solução do problema, segundo Valéria. "Precisamos conversar com essas pessoas e ver o que está faltando. São tantas fake news, como a que (fala de) a vacina alterar o DNA ou colocar um chip (nas pessoas). Dessa forma, as fake news vão atrasar a solução para a crise", alertou.

Sobre as pesquisas, a professora mencionou que, atualmente, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), existem 61 imunizantes contra a covid-19 em fase de estudos clínicos, e 11 na etapa de testes. "As vacinas revolucionaram a saúde da humanidade. Conseguimos, inclusive, erradicar doenças por meio delas. Um exemplo seria a varíola, erradica no mundo desde a década de 1980. (A vacina) é um recuso valiosíssimo", destacou Valéria.

Medidas de segurança

A infectologista falou, ainda, sobre a importância de seguir as medidas de segurança e higienização, com uso de máscaras protetoras, álcool em gel e de manter o distanciamento social. Segundo ela, mesmo após a chegada do imunizante, a população deverá manter os protocolos. "Ainda não sabemos quanto tempo vai durar a imunização nem se será necessário aplicar mais doses da vacina. Se isso (o respeito aos protocolos de segurança) se manter, poderemos voltar ao normal com mais agilidade", avaliou.

Sobre o registro de festas e aglomerações durante a pandemia, a professora considerou a situação preocupante. "É muito triste ver notícias e vídeos de aglomerações e pessoas sem máscaras, porque quem esta trabalhando em hospitais, mesmo que não seja na linha de frente, sabe que temos muitos doentes para tratar. Isso é como se fosse um descaso, como se você não estivesse se importando com o próximo", criticou. "Imagina se pensássemos assim para todas as outras doenças transmissíveis", sugeriu.

Assista à entrevista completa:

 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE