Saúde

Esperança para 2021

Primeiros bebês a nascerem na rede pública do DF, Davi Lucca e Ravi Garreto Pinheiro vieram ao mundo nos hospitais de Brazlândia e de Santa Maria, respectivamente. Para as famílias, trazem significado de renovação após um ano de tantos desafios

» ANA MARIA DA SILVA
postado em 01/01/2021 23:20
 (crédito: Arquivo pessosal)
(crédito: Arquivo pessosal)

A noite de 31 de dezembro normalmente é cercada de expectativas e de muitas comemorações. Mas a chegada de 2021 tornou-se ainda mais especial para algumas famílias brasilienses. Foi o caso de Rosana Gonçalves, 28 anos, que iniciou o ano da melhor maneira possível: ganhou o primeiro filho, Davi Lucca. Nascido à 0h18 no Hospital Regional de Brazlândia (HRBz), foi o primeiro parto registrado na rede pública de Saúde do Distrito Federal.

A gestação, que durou 40 semanas e cinco dias, foi um presente na vida de Rosana. A mãe relata que já teve duas outras gestações interrompidas. Apesar dos planos para a virada do ano, Rosana ficou maravilhada com a surpresa. “Comecei a sentir as contrações pela manhã. Cheguei a vir para o hospital, mas ainda não tinha dilatação, então voltei para casa. Por volta das 17h, eu entrei definitivamente em trabalho de parto e retornei ao HRBz. Dali, já fiquei em observação, fui internada e conduzida para a cirurgia”, relatou.

Moradora de Brazlândia, Rosana fez todos os exames pré-natal e foi acompanhada durante a gestação pela equipe de Saúde da Família da Unidade Básica de Saúde (UBS) 1 da cidade. O nascimento de Davi pode ser considerado como um presente antecipado de aniversário, uma vez que ela completa mais um ano de vida daqui a um dia. No momento, mãe e filho aguardam o término do período de observação para irem para casa. “Agora é só benção para este ano. O que eu mais queria é o meu filho, e ele está aqui”, comemorou.

Otimismo
A chegada de Ravi Garreto Pinheiro, primeiro bebê nascido em 2021 no DF entre as unidades administradas pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), foi cercada de otimismo. Saudável, com idade gestacional de 34 semanas e três dias, ele pesa 2,460kg e mede 44cm de comprimento. O parto normal aconteceu no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) à 1h49 de ontem.

Ravi é o terceiro filho da dona de casa Jeisy Silva Garreto Pinheiro, 33 anos. De acordo com a mãe, as dores começaram por volta das 21h de quinta-feira, e se intensificaram perto das 23h. Por volta da 0h30 do primeiro dia deste ano, Jeisy foi encaminhada ao hospital. “Foi uma experiência linda. O parto foi tranquilo e rápido. Não imaginei que ele nasceria agora, pois não estava na hora. Mas graças a Deus ele está bem”, desabafa Jeisy.

O nome Ravi, em sânscrito, significa “o Sol”. Segundo os Vedas, textos das escrituras sagradas do hinduísmo, Ravi é um dos 12 filhos de Aditi, a deusa-mãe, considerada como o espaço cósmico. O nome começou a ganhar popularidade no Ocidente nos anos 1960, por causa do músico indiano Ravi Shankar, de grande popularidade. Após o ano de dificuldades, a dona de casa conta que perdeu o pai há alguns dias. Para ela, a chegada de Ravi tornou-se um sinal de esperança para a família. “Eu me sinto muito feliz. Ele me trouxe esperança de que o 2021 será melhor do que o ano que passou, que foi tão difícil para todos”, completa. “Espero que este ano seja melhor para todos nós”, deseja a mãe.

Cuidados
A chefe do serviço de neonatologia do Hospital Regional de Santa Maria, Cíntia Sant’Ana Cardoso, lembra que o cuidado com o recém-nascido começa desde o pré-natal. “Ao descobrir a gestação, a mãe deve fazer todas as consultas corretamente, fazer todos os exames, e ela tem o direito de visitar a maternidade onde vai ter o bebê”, explica a pediatra. “Ao nascer no HRSM, o bebê já faz alguns testes de triagem para saber como será a sua evolução. Passa pelos testes do pezinho, do olhinho, do coraçãozinho, da linguinha e aprende a mamar”, completa.

Convocação de intensivistas

A Secretaria de Saúde (SES) convocou, na quinta-feira, por meio do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), 34 novos servidores, no último chamamento de profissionais no ano de 2020 para atuar na rede pública de saúde. Os convocados foram aprovados no concurso de 2018 e vão substituir as vacâncias. São cinco médicos intensivistas, dois enfermeiros de família e comunidade, 25 técnicos de hematologia e hemoterapia e dois administradores que serão lotados, de acordo com a pasta, nas unidades que mais precisam desses serviços. Para confirmar a vaga e tomar posse, os convocados devem apresentar a documentação necessária em até 30 dias, no Núcleo de Admissão e Movimentação da pasta.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE