Capital S/A

"Eu faço as pessoas rirem da vida." Mel Brooks, diretor e ator de cinema

Samanta Sallum
postado em 10/01/2021 22:20

Banco do Brasil confirma: Brasília — a capital da rock

O CCBB em Brasília foi escolhido para a estreia de uma programação muito especial que vai celebrar os 40 anos do rock de Brasília. O projeto inclui shows com bandas que fazem parte desta história, e, claro, entre elas, as que nasceram na capital federal. Mesmo com a pandemia, a área de marketing cultural do Banco do Brasil prevê diversos eventos que vão ocorrer também no teatro e no cinema do espaço, seguindo todas as medidas de prevenção à covid-19.
Serão 30 dias de programação, a partir de 13 de julho. Depois de estrear na capital, seguirá para São Paulo, Rio e BH. A gerente de programação do CCBB Brasília, Ana Lúcia Machado Lenzi (foto), adiantou à coluna a novidade. “Não podemos anunciar muitas coisas ainda, pois estamos fechando os detalhes, confirmando participações. Mas está tudo sendo encaminhado”, afirma.

Distanciamento
Ela esclareceu que os shows serão realizados na área verde do CCBB com limite de público e instalação de cercadinhos para garantir o distanciamento mínimo entre as pessoas.

Garantir empregos
O CCBB Brasília reabriu em 22 de setembro, depois de fechar em março do ano passado, por causa da pandemia. O retorno gradual das atividades simbolizou o fim de uma angústia para cerca de, pelo menos, 100 funcionários terceirizados que estavam parados, entre eles, assistentes técnicos do cinema, do teatro e recepcionistas, auxiliares de limpeza e seguranças. “Ninguém foi demitido. Toda a equipe foi mantida, com a readequação dos contratos na época em que estavam parados. Agora estamos voltando com a programação normal, e com todos os devidos cuidados”, enfatiza Ana Lúcia, gerente de programação.

Egito a caminho
A exposição Egito Antigo está terminando de ser desmontada em São Paulo para chegar à capital federal. É a próxima grande atração do CCBB com abertura em 6 de fevereiro. Traz um grande e histórico acervo sobre o período dos faraós, que inclui múmia e sarcófagos. Ficará até 25 de abril.

Exposições retidas
Por causa da pandemia, o calendário das exposições nos quatro CCBBs (Rio, SP, BH e Bsb) teve de ser alterado. Exposições, que deveriam ser encerradas ou migrar para outro local, ficaram retidas por quatro meses nos espaços. Isso representou mais custos com seguros de obras de arte e peças históricas, além de extensão do período de patrocínio.

Teatro e cinema
Há apenas um mês, foi retomada a programação presencial de teatro e cinema no CCBB Brasília, com a mostra Fellini e o espetáculo Poema Bar. Mas já tem atrações novas. Acaba de estrear o festival “Mel Brooks — Banzé no Cinema”, que vai até dia 31, com entrada franca. São 28 filmes relacionados ao universo do diretor americano considerado um gênio da comédia. Na próxima quinta feira, 20h, haverá debate on-line sobre o filme Banzé no Oeste. Veja a programação no site do CCBB.

Bilheteria fechada
A peça Desumanização, inspirada em livro do escritor português Valter Hugo Mãe, estreia em 28 de janeiro. Não é possível no momento obter ingressos na bilheteria do CCBB. É preciso retirar as entradas, tanto para cinema e teatro, no site da Eventim com certa antecedência, devido à redução do número de lugares para evitar aglomeração.

Retomada cultural
“Estamos empenhados nessa retomada da cena cultural tão importante para cidade. Nossa missão é fomentar a arte e cultura que são de grande para a sociedade. E, nesse momento difícil, poder oferecer essa experiência, com os devidos cuidados, é um respiro de alegria”, diz Ana Lúcia, gerente de programação do CCBB.

Acesso limitado
Para ter acesso ao jardim na área dos casulos, teatro, exposições e cinema no CCBB, é necessário retirar antes os ingressos no site da Eventim. A entrada está sendo livre apenas para o estacionamento, o Bistrô e a lojinha. O restaurante Carpe Diem está funcionado aos finais de semana. Durante a pandemia, foi oferecida uma programação virtual com o CCBB em Casa e muitas atividades podem ainda ser conferidas pelas redes socais. Confira a programação no site do CCBB.

Paisagismo de Alda Rabello
A extensa área livre e bucólica é apontada como o privilegiado diferencial do CCBB Brasília em relação aos outros. A arquitetura do prédio é de Oscar Niemeyer e o paisagismo é da arquiteta Alda Rabello. Ela faleceu aos 92 anos, na semana passada, em Brasília. Pioneira, deixou grande legado aos brasilienses. O movimento, antes da pandemia, chegava a ser de 1,5 mil pessoas no jardim. Agora o limite é de 300 em cada turno (manhã e noite). O centro cultural completou 20 anos na capital federal em 12 de outubro de 2020.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE