Pandemia

Professores e policiais ficam fora das prioridades de vacinação contra covid-19 no DF

Plano Distrital de Vacinação é atualizado após mudanças feitas pelo Ministério da Saúde e número de fases de prioridade cai de quatro para três. Com a mudança, servidores da educação e da segurança ficaram de fora do cronograma inicial

Alan Rios
postado em 13/01/2021 22:28
 (crédito: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF)
(crédito: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF)

A definição de grupos prioritários para vacinação contra a covid-19 no Distrito Federal sofreu alterações. Professores e profissionais de forças de segurança e salvamento estavam no Plano Distrital de Vacinação da capital, na quarta fase de imunizações, mas a Secretaria de Saúde informou que o plano foi finalizado com apenas três fases. A mudança retira 78.275 trabalhadores do DF das vacinações iniciais.

Segundo a pasta, a diminuição dos grupos prioritários se deu para acompanhar o cronograma definido pelo governo federal. “O plano inicial de vacinação nacional do Ministério da Saúde previa quatro fases. Com a mudança no plano nacional, a Secretaria de Saúde atualizou o plano de vacinação no DF e detalhou outras ações”, sintetiza, em nota.

Em ambos os planos, do Executivo local e do governo federal, estão previstas três fases prioritárias de vacinações, começando com trabalhadores de Saúde, pessoas de 75 anos ou mais, e de 60 anos ou mais institucionalizadas, passando pelos idosos entre 60 a 74 anos e finalizando com habitantes com comorbidades.

No documento disponibilizado pelo Ministério da Saúde, há previsão de imunizações de trabalhadores da educação e forças de segurança e salvamento, mas sem informações sobre em qual fase as categorias se encaixariam. Também não há data prevista para início das aplicações no país, pois a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda analisa informações de fabricantes para liberação dos produtos em uso emergencial.

A retirada da quarta fase do plano distrital provocou reações. O Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF) avalia ações que podem ser tomadas junto ao governo. “O ambiente escolar é um ambiente de risco. E, agora, não entendemos a educação não estar entre as prioridades. Vamos avaliar quais providências podem ser tomadas e qual o momento da pandemia no DF, mas com certeza vamos solicitar uma reunião com o governo para que essa discussão seja feita”, diz.

O Sindicato dos Policiais Civis do DF (Sinpol) também considera essencial a inclusão de policiais civis e militares nas prioridades. “O serviço de segurança pública não para. Durante a pandemia, as delegacias funcionaram 24 horas, com contato constante com pessoas e aglomerações, tanto que tivemos 478 policiais que testaram positivo para a covid-19”, pontua o vice-presidente da entidade, Enoque Venancio.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE