Brasília registra mais 828 infecções e seis mortes neste sábado

Média móvel de casos fica em 800 e de morte em 9. Indicador calcula a tendência e oscilação da doença com base nos dados dos últimos sete dias

Renata Rusky
postado em 16/01/2021 20:30 / atualizado em 16/01/2021 20:32
 (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
(crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

Brasília registrou ontem (sábado) 828 novos casos de infecção por coronavírus, mais de cem a mais do que o divulgado na última sexta-feira. Além disso, mais seis mortes foram confirmadas. As informações são do boletim epidemiológico publicado diariamente pela Secretaria de Segurança Pública e pela Secretaria de Estado de Saúde do DF (SSP-DF e SES-DF).

Com isso, a capital totaliza 263.756 contaminações, desde o início da pandemia. A maior parte dos contaminados (68.890) têm entre 30 e 39 anos, seguido por aqueles entre 40 e 49 anos, que totalizam 58.150. Entre os pacientes infectados, 251.876 se recuperaram da covid-19, 7.468 ainda estão com o vírus ativo no organismo e 4.412 pessoas não resistiram à doença e morreram. 

De acordo com o pesquisador do Centro Universitário Iesb, Breno Adaid, a média móvel de novos casos fica em 800 e de mortes em 9. O indicador calcula a tendência e oscilação da doença. Como os números variam muito diariamente, a média móvel é uma forma mais fiel de ver a situação. Até então, ela tem indicado que a situação do DF é estável.

Embora soe como uma boa notícia, a estabilidade de casos de covid-19 e de mortes pela doença não é vista com bons olhos. Adaid explica que, em caso de pandemia, a longo prazo, a tendência natural é sempre a queda. “Quem não conseguiu trabalhar de casa já pegou a doença e depois começaria a aparecer casos esparsos. Era o que estava acontecendo no fim do ano, novembro, dezembro”, ele exemplifica.

Ele explica que quando há crescimento ou lateralidade, é porque as pessoas estão se movimentando mais. E alerta: “Não é momento para relaxar, porque toda vez que uma se pessoa contamina, acontece um efeito cascata. Ela contamina outra pessoa e a rede dessa dela. Um caso desencadeia outros, com outras redes. Então, definitivamente não é a hora de relaxar, porque isso é pago em óbitos”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE