Obituário

Dea Felício dos Santos morre 12 dias depois do marido, Carlos Murilo

Pioneira de Brasília, ela tinha 88 anos e não resistiu a uma pneumonia

Alexandre de Paula
postado em 24/01/2021 09:16 / atualizado em 24/01/2021 09:25
 (crédito: Aureliza Corrêa/Esp. CB/D.A Press)
(crédito: Aureliza Corrêa/Esp. CB/D.A Press)

A memória da capital federal sofreu mais um perda. A pioneira Dea Felício dos Santos morreu, na noite de sábado (23/1), aos 88 anos. Ela faleceu 12 dias depois do marido, Carlos Murilo — também pioneiro, político e primo de JK.

Segundo a família, Dea tinha leucemia, mas o quadro estava controlado. Nos últimos dias, entretanto, passou a se sentir mal e descobriu uma pneumonia. Ela foi internada, mas não resistiu.

"Ela tinha princípio de Alzheimer. Então,ela não soube da morte do meu pai. Nós decidimos não contar. Mas, não sei se ela sentiu algo, porque, dias depois, começou a passar mal e teve a pneumonia", conta a filha Juliana Felício. 

A positividade, lembra Juliana, era uma das características mais fortes de Dea. "Ela era uma pessoa sempre positiva. Nunca vi minha mãe triste. Nunca a vi rancorosa. No hospital mesmo, ela dizia que estava tudo bem. Ela gostava de viver. Tinha uma vontade muito grande", conta. "Ela gostava de tomar o uísquinho dela, de dançar. Ela era única", completa. 

Dea era formada em geografia e história e casou-se com Carlos Murilo em 1958.

O velório ocorre às 13h30 na Capela 3 do Campo da Esperança da Asa Sul. O sepultamento está marcado para as 16h. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE