MEIO AMBIENTE

Projeto Produtor de Água é destaque em concurso internacional

Coordenado pela Adasa, programa sobre uso de água conquista 2º lugar em concurso internacional. Parceria entre 17 instituições e mais de 200 produtores rurais tem o objetivo de minimizar conflitos causados pelo uso do recurso hídrico

Ana Maria da Silva
postado em 27/01/2021 06:00 / atualizado em 27/01/2021 11:37
 (crédito:  Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

O Projeto Produtor de Água, que acontece na Bacia do Ribeirão Pipiripau, no Distrito Federal, conquistou o segundo lugar do concurso internacional Water ChangeMaker Awards (Produtores de Mudanças em Relação à Água), promovido pela Global Water Partnership (GWP). O projeto derrotou 340 iniciativas de 80 países concorrentes. O programa é coordenado pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), em parceria com a Embrapa.

Neste ano, o Programa Produtor de Água completa dez anos de operação na bacia do Ribeirão Pipiripau. Para colocá-lo em prática, 17 instituições firmaram parceria, além de mais de 200 produtores rurais, com o objetivo de minimizar conflitos pelo uso da água na região. Além dos produtores rurais, a bacia abastece mais de 200 mil pessoas em Planaltina e Sobradinho.

O concurso reconhece propostas em todo o mundo voltadas para a melhoria de condições socioambientais relacionadas à água, e foi lançado em abril do ano passado como uma maneira de condecorar as políticas públicas voltadas ao uso racional de recursos hídricos. A escolha dos vencedores se deu a partir da análise de um corpo técnico e também pelo voto popular.

A conquista foi anunciada na última segunda-feira, e o orgulho tomou conta dos envolvidos. É o caso do diretor da Adasa, Jorge Werneck. “Foi uma emoção imensa quando descobrimos. Ter o reconhecimento internacional de altíssimo nível do trabalho que foi desenvolvido pelas 17 instituições parceiras e pelos produtores rurais em prol dos recursos hídricos é algo indescritível”, afirma.

A previsão é de que o projeto seja apresentado durante uma sessão no próximo evento das Nações Unidas, que ocorrerá em novembro, o Cop 26. “Vai ser muito legal poder chegar lá com o carimbo de um prêmio tão forte. Nós conseguimos ser destaque, é um orgulho monstruoso. É um prêmio do DF, do Brasil, em um momento em que precisamos de bons exemplos”, afirma Jorge.

Mas o projeto vai além do prêmio, conforme explica o diretor. “Por meio de ações como essa, incentivamos a aplicação de boas práticas agrícolas, como contribuição de terras, adequação das estradas rurais, recuperação da vegetação natural nas Áreas de Preservação Ambiental (APA) e reserva legal”, diz. “Já foram plantadas mais de 400 mil mudas no projeto, além de fazermos o cercamento de nascente”, pondera.

Com o intuito de ampliar o projeto, Jorge explica que a Adasa abriu editais públicos convidando produtores rurais para participarem de forma voluntária, cedendo parte de suas propriedades. “O produtor, que antes era tratado como vilão em relação ao uso da água, passa a ser o principal parceiro nos cuidados desse bem tão precioso”, acrescenta o diretor.

Benefícios

Entre os contemplados pelo projeto está a produtora rural Flávia Kikuchi, 43 anos, presidente da Associação de Usuários do Canal de Abastecimento de Água do Núcleo Rural Santos Dumont. Ela cultiva hortaliças e comercializa os alimentos nas Centrais de Abastecimento (Ceasa), e sofreu durante o período de crise hídrica, minimizado por ações do projeto. “Na minha propriedade, o projeto ajudou no revestimento dos tanques com a lona. Dessa forma, evitamos o desperdício de água por infiltração. Com o tanque revestido, podemos ter um aproveitamento melhor para o nosso plantio”, explica.

Antes do projeto, Flávia lembra que o Núcleo Rural sofria fortemente com a perda de água. “A nossa outorga é de 200 litros, e como o canal era aberto, perdíamos quase metade da água pelo caminho, por conta de infiltração e evaporação”, lembra. Com as dificuldades, a distribuição de água entre os produtores da região era reduzida. Para abastecer as propriedades, as famílias faziam rodízio interno. “Com esse projeto, tivemos uma distribuição melhor e conseguimos abastecer todas as propriedades ao mesmo tempo, por igualdade, sem rodízio”, celebra.

Para a produtora rural, a colocação do projeto é uma vitória. “Receber esse prêmio é um reconhecimento grande. O projeto não foi algo que ficou somente no papel, foi algo que olhou para nós, produtores, e entendeu a nossa situação”, reforça a agricultora. “Eu e minha família aumentamos 40% da nossa produção por conta do projeto, que proporcionou melhorias. Só temos a agradecer”, completa Flávia.

Colaborou Jéssica Moura

Recuperação de canais de irrigação

Outros projetos também foram colocados em prática, no DF, com o intuito de promover o uso racional da água. A Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do DF (Seagri-DF) e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do DF (Emater-DF) uniram esforços com os agricultores que utilizam as águas de canais da Vargem Bonita, no Park Way, para revitalizar canais de irrigação da área. Até o momento, 23 canais já foram total ou parcialmente recuperados, totalizando 87km de tubulações instaladas, onde cerca de 570 propriedades rurais foram beneficiadas.

  • Os produtores rurais Tutomu e Flávia Kikuchi foram contemplados pelo projeto da Adasa
    Os produtores rurais Tutomu e Flávia Kikuchi foram contemplados pelo projeto da Adasa Foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press
  • Produtor de água
    Produtor de água Foto: Ana Rayssa/CB
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE