CLIMA

Mesmo em dias nublados e chuvosos, céu de Brasília encanta pela beleza 

A cidade continua sendo um grande cartão-postal em tempos de aguaceiro, mas é importante se prevenir contra raios, comuns nessa época do ano

Júlia Eleutério*
postado em 18/02/2021 06:00
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

Desde o começo do mês de fevereiro, o brasiliense percebeu o céu da cidade mais cinza e as temperaturas mais baixas, além das tempestades mais presentes. Mesmo assim, o céu de Brasília, conhecido como o “mar da cidade”, segue encantando com sua beleza até em dias nublados e chuvosos.

A mudança no clima neste início de ano ocorre devido ao fenômeno La Niña, que vai até março. Por conta dele, há esse aumento das fortes chuvas e das quedas de raio na região do Distrito Federal, vistas nos primeiros meses deste ano.

Segundo o coordenador do Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Osmar Pinto Junior, “o fenômeno está sendo observado principalmente na região Norte e em partes das regiões Nordeste e Centro-Oeste”. Enquanto nas regiões Sul e Sudeste, o La Niña não causa tantas mudanças climáticas.

O DF registrou 20.414 raios nos primeiros 10 dias de fevereiro. Desse total, 5.951 tocaram o solo. Os dados são do Elat/Inpe. Ainda de acordo com o instituto, o número é 10 vezes maior em comparação com o mesmo período no ano anterior, que registrou 1.991 raios com 958 tocando o solo.

Além disso, o elevado número de raios registrados, somente no começo de fevereiro de 2021, já representa 74,3% e 60,9% do total de raios que caíram em todo o ano de 2019 e em 2020, respectivamente. Com isso, os brasilienses devem ficar atentos aos riscos causados pela a alta incidência de raios na região, sem esquecer de admirar esse fenômeno.

A presença do La Ninã não é o único fator para o aumento de raios. “A construção de torres e prédios altos influenciam na ocorrência de raios chamados ascendentes, que partem do solo em direção às nuvens”, segundo informações do Elat/Inpe.

Outro possível fator se refere à urbanização das cidades. As ilhas de calor formadas pelos grandes centros urbanos, a falta de vegetação natural e a poluição atmosférica contribuem para o aumento das tempestades, o que pode ocasionar mais descargas elétricas em uma região.

Os cuidados

A cada 50 mortes por raio registradas no mundo, uma ocorre no Brasil. Um levantamento realizado pelo Elat/Inpe, entre os anos 2000 e 2019, mostra que Brasília é a terceira localidade com o maior número de mortes causadas, registrando 21 óbitos no período. A capital está atrás apenas de São Paulo capital, com 30 mortes, e Manaus, com 27.

Para se proteger dos raios e prevenir acidentes, é importante abrigar-se em locais fechados e seguros das tempestades. Além de evitar o uso de equipamentos eletrônicos ligados a tomadas e manter distância das redes elétrica, telefônica e hidráulica, de portas e janelas metálicas. Caso não tenha um lugar seguro, é preciso ficar longe de qualquer ponto mais alto e objetos metálicos.

A Defesa Civil do DF oferece um serviço gratuito de alertas de tempestade para que os brasilienses se previnam em dias de temporais. Para se cadastrar, é necessário enviar um mensagem por SMS para o número 40199 com o CEP da residência ou local de referência que queira receber as previsões meteorológicas.

* Estagiária sob a supervisão de José Carlos Vieira

O que evitar durante as tempestades?

Ambientes ao ar livre:

» Evitar ficar próximo de veículos, como carro

» Evitar abrigar-se ou caminhar perto de árvores

» Evitar praticar esportes ao ar livre durante as tempestades, como jogar futebol

» Não caminhar em áreas descampadas

» Evitar ficar próximo a objetos metálicos, como varal de metal, antena ou portão de ferro

» Não permanecer dentro de piscinas, rios ou mar

 

Em locais fechados:

» Não utilizar equipamentos ligados à rede elétrica ou ficar perto de tomadas

» Não falar ao telefone com fio ou utilizar celular conectado ao carregador

» Não tomar banho em chuveiro elétrico

» Não ficar próximo a janelas e portas metálicas;

 

Opções seguras de abrigo durante tempestades:

» Entre em um veículo não conversível, mantenha as portas e vidros fechados, evitando contato com a lataria

» Entre em moradias ou prédios, mantendo distância das redes elétrica, telefônica e hidráulica, de portas e janelas metálicas

» Entre em abrigos subterrâneos, tais como metrôs ou túneis

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE