Crônica da Cidade

Clarice na linha

Severino Francisco
postado em 22/02/2021 20:48

Neste momento delicado, esta coluna conseguiu uma mediúnica exclusiva com Clarice Lispector. Fala, musa!

Qual é o lugar do amor em sua vida?
Amar os outros é a única salvação individual que eu conheço: ninguém estará perdido se der amor e, às vezes, receber amor em troca.

E o que fazer para salvar os nossos índios?
Se continuarmos a ser objetos da ambição alheia, o brasileiro será um pobre coitado e continuar-se-á a matar não só índios, mas a nós também.

Não estamos vivendo um momento em que há resignação demais ante os absurdos em série?
Eu não aguento a resignação. Ah, como devoro com fome e prazer a revolta.

De onde vem a sua força?
Eu tenho uma força, eu sei. E minha força está na suavidade dos meus dedos frágeis e delicados.

Você concorda com os que a consideravam a sua literatura alienada?
Na verdade, sinto-me engajada. Tudo que escrevo está ligado, pelo menos dentro de mim, à realidade em que vivemos.

O que é escrever para você?
Escrever é abençoar uma vida que não foi abençoada.

Que conselho daria às mães?
À medida em que os filhos crescem, as mães devem diminuir de tamanho.

O que você diria a Deus se pudesse?
Venha, Deus. Mesmo que eu não mereça, venha. Só uma coisa a favor de mim eu posso dizer: nunca feri de propósito. Mas tantos defeitos tenho: sou inquieta, ciumenta, áspera, desesperançosa. Embora amor dentro de mim eu tenha.
Se você tem tanto amor dentro de você, por que tanta inquietação?
Só que não sei usar amor: às vezes parecem farpas. Se tanto amor dentro de mim recebi e continuo inquieta e infeliz, é porque preciso que Deus venha. Venha antes que seja tarde demais.

Como foi o seu encontro com a esfinge em uma pirâmide do Egito?
Olhei para ela, não consegui decifrar seu mistério, mas, em compensação, ela também não me decifrou.

Você é misteriosa, mas, ao mesmo tempo, cultiva as veleidades de mulher. Por que gosta de falar de perfume?
Eu me perfumo para intensificar o que sou. Por isso, não posso usar perfumes que me contrariem. Perfumar-se é uma sabedoria instintiva.

Agora, ligados o telefone para pedir informação e falamos com robôs. A tecnologia te fascina?
Mas o amor é mais misterioso do que o cérebro eletrônico.

Você fica feliz com a fama de ser uma das personalidades mais famosas das redes sociais?
Tantos querem a projeção. Sem saber como esta limita a vida. Minha pequena projeção fere o meu pudor. O anonimato é suave como um sonho. Estou precisando desse sonho.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE