COTIDIANO

Período chuvoso acende alerta para aparecimento de escorpiões; saiba o que fazer

Em época de chuvas, animal peçonhento aparece com mais frequência nas residências. Vigilância Epidemiológica alerta para os cuidados em caso de acidentes. Em 2020, o órgão registrou 1.810 ocorrências envolvendo o aracnídeo  

Ana Maria da Silva
postado em 23/02/2021 06:00
O escorpião prefere espaços escuros e úmidos, como esgotos e entulhos -  (crédito: Gustavo Moreno/CB/D.A Press - 29/7/16)
O escorpião prefere espaços escuros e úmidos, como esgotos e entulhos - (crédito: Gustavo Moreno/CB/D.A Press - 29/7/16)

Os cuidados para evitar acidentes com escorpiões precisam ser redobrados no período de chuvas, época em que eles mais aparecem nas residências para se abrigar das inundações. Neste período, o risco de o aracnídeo entrar em contato com as pessoas aumenta porque, com o fluxo de água, eles vêm à superfície conduzidos pelas tubulações das redes de esgoto, telefone e elétrica. A Diretoria de Vigilância Epidemiológica do DF (Divep-DF) notificou 2.231 acidentes com animais peçonhentos, de janeiro a novembro de 2020. O maior número de ocorrências foi com escorpião, que resultou em 1.810 atendimentos.

Moradora do edifício Smart Residence, em Águas Claras, a advogada Inaiara Silva Torres, 34 anos, encontrou um escorpião em sua varanda na última sexta-feira. “Como a cerâmica é completamente branca, foi fácil percebê-lo se locomovendo”, explica. Ela conta que chamou o marido para matar o animal. “Jogamos vinagre nele, já morto, e depois o dispensamos no lixo”, completa.

Inaiara explica que, todas as vezes em que o mato do lote ao lado do prédio é roçado, o condomínio registra o aparecimento de escorpiões. “Entretanto, a cada dois meses, o síndico envia solicitação à Administração de Águas Claras para fazer a roçagem. Eles vêm, dizem que o mato está baixo, e fazem o serviço apenas duas vezes ao ano, no máximo, quando a vegetação já está da altura do muro”, reclama a moradora. Em nota, a Administração de Águas Claras informou que, desde janeiro de 2019, não foram localizados registros, na ouvidoria do órgão, em nome do condomínio.

Para reduzir os riscos de encontrar outros escorpiões em sua residência, Inaiara toma alguns cuidados. “Despejo bastante água sanitária nos ralos e procuro mantê-los sempre fechados”, diz. O também advogado Leonardo Conte, 38, síndico do edifício Smart Residence, ressalta que o prédio adota medidas de precaução para evitar o risco. “Além de circulares mais frequentes, alertando aos moradores, nossa equipe de limpeza redobra os cuidados com ralos e canaletas, além de varrer mais vezes ao dia as folhas das árvores. A grama é aparada com mais frequência também”, ressalta.

Cuidados

A Vigilância Ambiental alerta para os cuidados que devem ser tomados para evitar acidentes com animais peçonhentos. É importante vedar soleiras de portas com rolos de areia ou rodos de borracha; reparar rodapés soltos e colocar telas nas janelas; telar as aberturas dos ralos, pias ou tanques; telar aberturas de ventilação de porões e manter assoalhos tapados; manter todos os pontos de energia e telefone devidamente vedados; e manter limpos quintais e jardins.

De acordo com a Diretoria de Vigilância Ambiental em Saúde (Dival), os escorpiões preferem espaços escuros e úmidos, por isso, o aracnídeo se esconde em materiais de construção, caixas de esgoto, entulho, frestas e buracos em paredes, além de caixas de fiação elétrica, de telefone e tomadas abertas. Também costumam se abrigar em peças de roupa, dentro de sapatos e rachaduras em paredes. Além disso, é necessário redobrar os cuidados para evitar o aparecimento de baratas, pois elas são a fonte de alimento dos escorpiões.

O biólogo da Dival Israel Martins explica o que o morador deve fazer quando encontrar algum animal peçonhento. “Ao identificar esses animais, precisa ligar para o telefone 2017-1344. Os agentes vão se dirigir ao local para fazer a remoção da espécie”, afirmou.

A Dival alerta, ainda, que não existe inseticida comprovadamente eficaz para combater escorpiões. Por isso, a notificação dos casos é importante para a fabricação e manutenção de soros contra os diferentes venenos. Em caso de acidentes, o paciente deve procurar, o mais rapidamente possível, o serviço de saúde local. Apenas os hospitais referência para a covid-19, como o Hospital Regional da Asa Norte (Hran), tiveram esse tipo de atendimento suspenso.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE