AINDA MAIS LINDO

Céu de Brasília será palco de diversos fenômenos astronômicos neste mês

Especialistas destacam os principais acontecimentos e dão dicas de como acompanhar os astros

Caroline Cintra
postado em 04/03/2021 06:00
Cientista da computação, Maciel é apaixonado por astronomia e montou um laboratório em casa -  (crédito: Arquivo Pessoal)
Cientista da computação, Maciel é apaixonado por astronomia e montou um laboratório em casa - (crédito: Arquivo Pessoal)

O céu do Distrito Federal é conhecido por ser deslumbrante. Não importa a hora, condição climática ou estação do ano, ele sempre é um show à parte. Este mês, uma série de fenômenos naturais trarão ainda mais beleza para a capital federal. Muitos deles poderão ser vistos de qualquer parte da cidade e a olho nu. Astrônomos profissionais e amadores se preparam para os eventos e dão dicas de como acompanhá-los, sem a necessidade de telescópio ou outros equipamentos.

Professor de astronomia e de física na Universidade de Brasília (UnB) de Planaltina, Paulo de Brito explica que diversos fenômenos naturais ocorrem durante todo ano, porém, alguns aspectos ajudam ou atrapalham a visualização deles, como o clima. Se o dia está nublado, possivelmente, o brasiliense terá dificuldade em acompanhar o acontecimento. “O tempo é muito importante. Já marcamos noites de observação, mas se ele não permitir, não conseguimos ver. Quando ocorre uma lua cheia, por exemplo, o tempo não interfere tanto, mas, outros fenômenos fica impossível visualizar”, diz.

Para saber o horário exato em que um fenômeno poder ser visto do DF, existem aplicativos e softwares de computador que indicam a posição exata em que a pessoa deve estar. Caso não saiba identificar os pontos (sul, norte, leste e oeste), a orientação do professor é baixar um aplicativo de bússola. “Ou então, é só se orientar pelo lado que o Sol nasce, leste, e que se põe, oeste. Brasília é um bom lugar para observar os fenômenos, e a tecnologia ajuda muito quem tem vontade de acompanhar, mas sem equipamentos. É só entrar no aplicativo e consegue tudo”, aconselha Paulo.

Localização

Outro aspecto que ajuda na hora de assistir os espetáculos astronômicos é a localidade de onde se observa. O professor de ciências naturais e de astronomia do Planetário de Brasília Adriano Leonês destaca que locais com muita poluição luminosa não são indicados. Por isso, muitos astrônomos buscam as áreas rurais, onde há pouca luz, para observar melhor. “Não precisa ter equipamento. Tem tempo aberto, um software que mostra localização exata do fenômeno no céu e uma visão limpa para onde quer observar é o suficiente. Certos pontos do DF têm muita iluminação, o que atrapalha um pouco”, avalia Adriano. Ambientes mais distantes de grandes áreas urbanas, como Alto Paraíso (GO) atraem os astrônomos.

Adriano acompanha os fenômenos desde 2008 e não parou mais de estudar sobre tema. Ele formou-se em astronomia e, hoje, é professor. O pesquisador contou que a maioria das pessoas conhecem mais os acontecimentos que podem ser vistos facilmente, como as superluas, que ocorrem de uma a três vezes no ano, assim como os eclipses solar e lunar. Outro evento que pode ser visto com facilidade, mas, principalmente em locais sem iluminação, são as chuvas de meteoros. “É um evento muito comum, tem uns 10 todo ano, com datas específicas”, destaca.

Hobbie

Morador de Arniqueiras, o servidor público Maciel Bassani Sparrenberger, 46 anos, lembra que sempre gostou de ciências. O interesse pela astronomia surgiu em 2000. À época, comemorava-se os 500 anos do Descobrimento do Brasil. “Vi uma série de reportagens sobre as grandes navegações. Interessei-me em saber como conseguiam se orientar pelo céu para saber onde estavam indo. Como na época já tinha internet, consegui pesquisar muita coisa sozinho”, disse o cientista da computação.

Em 2005, Maciel conheceu o Clube de Astronomia de Brasília (CAsB). “É uma associação de amadores. Cada um tem sua área profissional, separada da astronomia. Antes da pandemia, fazíamos observações abertas ao público, na Praça dos Três Poderes. Agora, para evitar aglomerações, os encontros são virtuais”, comenta. Um dos eventos mais recentes, realizado pelo Observatório Nacional, tem promovido uma série de lives com o tema O céu e sua casa. Nelas, os astrônomos compartilham com os colegas imagens de fenômenos e conteúdos sobre o tema.

Maciel montou um observatório no telhado de casa. Construiu um telescópio caseiro e, sempre que pode, sobe para assistir algo novo. “Vários membros do CAsB montaram o próprio observatório. Alguns em sítio, outros em casa, como eu. Quem não tem condições participava das observações que promovíamos”, completa.

Calendário astronômico

5 de março
Os astronautas farão uma caminhada de 6 horas e uma estação espacial. A caminhada deve começar às 9h30 (horário de Brasília), com transmissão ao vivo no canal Nasa TV no YouTube.

8 de março
Lançamento de um foguete Falcon 9 da SpaceX com mais 60 satélites para a constelação Starlink. O evento será transmitido, ao vivo, no site da SpaceX, à 0h41(horário de Brasília)

9 de março
Conjunção entre a Lua e Saturno. Saturno estará um pouco abaixo e à esquerda da Lua, a partir das 3h30 (horário de Brasília), do leste. Por volta das 4h30, o planeta se alinha com Júpiter e Mercúrio. Poderá ser visto a olho nu de Brasília.

10 de março
Conjunção entre a Lua e Júpiter, que estará um pouco abaixo e à esquerda de nosso satélite a partir das 3h50 (horário de Brasília) na direção leste. Poderá ser visto a olho nu de Brasília.

19 de março
Conjunção entre a Lua e Marte. O planeta será o pontinho vermelho logo abaixo da Lua, a partir do pôr do Sol. Poderá ser visto a olho nu de Brasília.

20 de março
Equinócio de outono. A estação começa, oficialmente, no hemisfério sul às 6h37 (horário de Brasília). Poderá ser visto a olho nu de Brasília.

28 de março
Lua cheia de março. No mesmo dia, Vênus fará sua aparição mais brilhante no céu neste início de ano. Para ver o planeta, olhe para o oeste por volta das 18h (horário de Brasília). Poderá ser visto a olho nu de Brasília.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE