Saúde

Hran opera além da capacidade no combate à covid-19: "cenário de guerra"

Força-tarefa de combate à covid-19 visitou o hospital para apurar denúncias de superlotação e falta de insumos no Hospital Regional da Asa Norte (Hran)

Victória Olímpio
postado em 09/03/2021 15:41 / atualizado em 09/03/2021 16:06
 (crédito: Força-Tarefa Covid/Material cedido ao Correio)
(crédito: Força-Tarefa Covid/Material cedido ao Correio)

Na manhã desta terça-feira (9/3), a força-tarefa da Ação Conjunta contra a covid-19 realizou diligências no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), encontrando uma série de inadequações. Na equipe, estavam o deputado distrital Fábio Félix, presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara Legislativa do DF, e representantes do Sindicato de Enfermeiros, da Comissão de Saúde da OAB e do Conselho Regional de Enfermagem (Coren).

Foram flagrados diversos pacientes nos corredores do hospital, pacientes recebendo oxigênio sem um local apropriado, pacientes com e sem covid-19 na mesma ala, sem distanciamento necessário e a falta de insumos e de equipamentos. De acordo com a Secretaria de Saúde, devido ao aumento de casos de covid-19, a unidade está operando além da capacidade.

"Hoje, a unidade está com sua lotação máxima, mas todos os pacientes estão sendo direcionados ao atendimento adequado. Os pacientes em corredores são aqueles que estão nas alas do pronto socorro (PS), sala de medicação e sala de espera. As unidades de saúde estão apresentando superlotação, pois o número de pessoas contaminadas tem crescido e, consequentemente, a busca por atendimento hospitalar. A direção do Hran tem trabalhado para que situações como essa ocorram com menos frequência, e todos os pacientes sejam atendidos em um curto espaço de tempo", informou a pasta, em nota.

Foi flagrada ainda a falta de água no hospital, que, segundo a Saúde, ocorreu devido a um problema no motor da caixa d'água. "Foi informado ainda que, no início da manhã, o motor que bombeia a água da caixa d’água apresentou defeito, provocando a suspensão no fornecimento de água no Hran. A equipe de manutenção foi imediatamente acionada, fez o reparo no motor de indução e o fornecimento foi restabelecido."

O deputado Fábio Félix informou ao Correio que a situação é muito grave e descreveu o local como "cenário de guerra". Segundo ele, as filas para internação na UTI estão gigantes. Pacientes intubados estão junto aos que ainda não foram intubados, além de estarem sem a proteção necessária. Pacientes aguardam atendimento ao longo dos corredores.

"A situação é dramática no Hospital Regional da Asa Norte. A gente vê aqui na entrada do Pronto Socorro das pessoas com covid o cruzamento de pacientes de outros ambulatórios, então as pessoas podem ser contaminadas nesse processo. Também toda área do Pronto Socorro, as alas criadas para covid estão superlotadas. Tem pacientes em cima de cadeiras de rodas que já estão internadas, que aguardaram 13, 14 horas para serem atendidas", contou o distrital.

Oxigênio

A Secretaria de Saúde afirmou que todas as notícias sobre falta de oxigênio nas unidades de saúde do Distrito Federal são improcedentes. "O consumo de oxigênio dentro das unidades hospitalares é monitorado permanentemente. A Secretaria esclarece que não estoca oxigênio, sendo o abastecimento feito diretamente pela empresa contratada para o serviço. O oxigênio líquido é fornecido para os hospitais e canalizado até o leito de UTI ou de enfermaria, não havendo, portanto, possibilidade de haver falta."

"Com relação à situação dos equipamentos de proteção individual (EPIs), a Secretaria de Saúde informa que há racionalidade nos estoques, porém não há falta. É importante esclarecer que o consumo aumentou no mercado mundial em face da pandemia de covid-19, contudo, a pasta tem envidado todos os esforços para evitar o desabastecimento e possui processos de compra em andamento para manutenção dos estoques", afirmou a Saúde.

Ar-condicionado

Ainda segundo a diligência, há três meses o hospital está sem contrato de manutenção do ar-condicionado. Crianças com suspeita junto às que foram confirmadas com covid-19 foram flagradas na pediatria. "Número de servidores insuficiente e atendimento ambulatorial misturado com covid e variantes. Apenas um médico no box e dois no atendimento, dois enfermeiros e 13 técnicos para um universo de 81 pacientes. Cenário de caos na ala", destacou o documento da diligência.

"Na unidade, a porta de entrada é única e ampla. Logo à frente, há uma separação com sinalização e setas, bem como guichês exclusivos para abertura de cadastro quando necessário, ou seja, a informação de que pacientes covid e não covid estão sendo atendidos conjuntamente não procede. Crianças também estão em enfermarias separadas", finalizou a secretaria.

ar condicionado do Hran
ar condicionado do Hran (foto: Material cedido ao Correio)

De acordo com Fabrício Reis, vice-presidente da comissão de Direito à Saúde da OAB/DF, uma reunião será realizada hoje com o secretário de Saúde para determinar as projeções para melhorar a situação atual. "A princípio, olhando de uma forma mais rasa, o que o GDF poderia fazer seria a contratação de mais profissionais e um reforço dos RHs das unidades de saúde que são referência para covid nos hospitais e UPAs que estão atendendo. Contudo, só aumentar leitos e o número de profissionais não é suficiente para o enfrentamento da pandemia. Realmente um lockdown mais severo se faz necessário", afirmou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE