Corona vírus

Longas filas e espera pela vacina

Cerca de 3,6 mil idosos e profissionais da saúde se imunizaram, ontem, nos drive-thrus do Parque da Cidade, Lago Norte e Águas Claras. Hoje, a vacinação será exclusiva para o público agendado para receber a segunda dose

Adriana Bernardes
Larissa Passos
Ana Silva
postado em 03/04/2021 21:53 / atualizado em 03/04/2021 21:57
 (crédito: Fotos: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
(crédito: Fotos: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

O GDF passou o dia pedindo calma à população e garantindo que haverá vacina para todos no Distrito Federal. Ainda assim, centenas de idosos de 66 anos bateram o pé, determinados a passar o dia na fila com a esperança de conseguir uma das 1.111 mil doses disponíveis na primeira etapa. A procura foi tão grande que a Secretaria de Saúde foi obrigada a remanejar 2.489 vacinas destinadas aos profissionais de saúde. Com isso, no fim do dia, cerca de 3,6 mil pessoas foram vacinadas neste sábado. Hoje, a vacinação será exclusiva para idosos e profissionais da saúde agendados para receber a segunda dose (D2). Para atender a demanda, somente o posto drive-thru no Estacionamento 13 do Parque da Cidade estará em funcionamento, das 9h às 17h.

Em nota, a Secretaria de Saúde afirmou que aguarda a disponibilização de mais doses pelo Ministério da Saúde para dar continuidade à imunização do grupo de idosos a partir de 66 anos. Confirmada para amanhã, a vacinação das forças de segurança no Distrito Federal vai começar pelas equipes que estão na rua diariamente, principalmente as mais expostas e, depois, vai seguir o critério de idade.

O Correio apurou com uma fonte do GDF que há, pelo menos, 16 mil pessoas na ativa com este perfil, mas, por enquanto, não se pode afirmar quantas serão imunizadas na primeira etapa. “Tudo depende do recebimento de novas doses e, até agora, o Ministério da Saúde não comunicou novo envio”, diz a fonte.

A vacinação dos idosos com 66 anos começou, ontem, com muitas filas. Nos três drive-thrus, a média de carros oscilou entre 500 e 700 durante todo o dia. Na Rua 36, de Águas Claras, teve motorista que circulou na contramão da via para garantir um espaço na fila. No Lago Norte, cansados da demora, parte das pessoas desistiu. No Parque da Cidade, chegava gente o tempo todo. No geral, quem levou apenas um lanchinho, achando que seria rápido, precisou se articular para conseguir o almoço. Em todos os pontos, agentes do Detran organizaram as filas e orientaram o trânsito.

As equipes do Correio acompanharam a corrida pela vacina desde o começo da tarde de sexta-feira, quando houve fila de carros em frente ao drive-thru do Parque da Cidade. Por volta das 21h, funcionários da Secretaria de Saúde entregaram senhas para quem estava no local, e os agentes de trânsito orientaram os idosos a voltarem para casa por conta do toque de recolher, das 22h às 5h. O pedido foi atendido, mas houve quem burlou a proibição e voltou na madrugada.

Em Águas Claras, pessoas prestes a completar 66 anos passaram a noite toda na fila, na esperança de receber doses remanescentes. É o caso do aposentado Antônio Carlos, morador de Samambaia, que chegou às 20h de sexta-feira na faculdade Unieuro. O idoso revela que dormiu a noite inteira no drive-thru e soube da imunização por meio do noticiário: “Eu já saí procurando o local, e como seria só três, o de Águas Claras era o mais próximo.”

Com sentimento de gratidão, o aposentado se sentiu mais seguro ao receber o imunizante. “É uma coisa muito esperada no momento, diante de tanto desespero, porque a coisa não está fácil”. Com a segunda dose marcada para 30 de abril, ele espera não ter de passar a noite no ponto de vacinação novamente. “No momento, a única coisa que a gente pode se apegar é na vacina, e continuar tomando os cuidados”.

Sopro de esperança

Receber a primeira dose da vacina contra a covid-19 representa mais do que uma chance de sobreviver ao novo coronavírus. É como se nos 0,5ml do líquido injetado no organismo tivessem também um antídoto capaz de aplacar um pouquinho a dor do luto e a saudade dos que se foram. Ao longo desse sábado, quem conseguiu vencer a fila e a exaustão se emocionou e voltou para casa com a sensação de poder respirar sem a espada da doença sobre a cabeça.

Durante espera de 4 horas no drive-thru do Iguatemi, o aposentado Antônio Guasselli, 66, morador de Águas Claras, contou entusiasmado que está feliz, e compara a imunização com “um evento”, diante da situação do país devido à covid-19. Para ele, o sentimento de ser vacinado “é uma sensação de estar e continuar vivo, que a esperança que nós temos é isso”.

De luto pela perda de amigos e a experiência de ter ficado internada por 13 dias com covid-19, a aposentada Regina Coeli, 66 anos, chegou ao Parque da Cidade às 8h30, quando cerca de 500 veículos já estavam por lá. Defensora da imunização, ela comemora o fato de a filha e o genro, que vivem nos Estados Unidos, já terem se vacinado contra a covid-19. Consciente, sabe que deverá manter os cuidados para preservar a si e aos outros. Perguntada se acredita na melhoria do cenário após a população ser vacinada, ela considera imprevisível. “Primeiro porque muitas pessoas acham que, tomando a vacina, estão imunes, e não é bem assim. Mas a esperança é grande”, diz.

Alívio

Sabe o que é ficar seis horas numa fila? Pois foi essa a maratona enfrentada ontem por boa parte dos idosos, entre eles o aposentado Maurício Teodoro da Silva, 66, imunizado no Parque da Cidade. Apesar da longa espera, o morador do Lago Sul saiu de lá com o sentimento de alívio e confiante. “Essa pandemia, na verdade, trouxe um problema muito grande para o mundo todo, uma mudança de vida, mudança de comportamento”.

A moradora de Ceilândia Maria Inês, 66, foi a última pessoa a ser vacinada, ontem, no drive-thru do Estacionamento 13 do Parque da Cidade. Ela conta que teve covid-19 em agosto de 2020, mas conseguiu se recuperar. Ao ser imunizada, ela não conteve a emoção. “Estou muito feliz com a primeira dose, graças a Deus. Espero que toda a população possa se vacinar para nós vivermos a vida em paz novamente. Eu mesma perdi um punhado de parentes e pessoas próximas por conta da doença, como o sogro da minha filha e um cunhado meu. Recomendo que os jovens que causam aglomeração em festas fiquem mais em casa. Espero que o governo do DF consiga mais vacinas para todos”, comenta a idosa, que recebeu a primeira dose da CoronaVac.

(Colaboraram: José Carlos Vieira, Larissa Passos, Pedro Marra, Samara Schwingel, Tais Braga e Vicente Nunes)


Vacinômetro

Ao todo, a Secretaria de Saúde aplicou a primeira dose da vacina em mais de 305 mil pessoas, o que representa 13,2% do público de 18 anos ou mais imunizado a primeira dose. A segunda dose do imunizante, por sua vez, foi aplicada 81,4 mil pessoas. São mais de 335 mil vacinas da primeira dose contra a covid-19 distribuídas por Brasília, e 102 mil da segunda dose organizadas entre os postos de vacinação. Se o GDF juntar as doses recebidas das vacinas CoronaVac — com 474 mil imunizantes recebidos pelo Ministério da Saúde — e da CoviShield — com mais de 90 mil —, o DF soma 564 mil vacinas contra a doença adquiridas por meio do governo federal.

Tira dúvidas da vacina

 (crédito: Pedro Marra/CB/D.A Press)
crédito: Pedro Marra/CB/D.A Press

Que tipo de proteção as vacinas contra a covid-19 oferecem?
A CoronaVac induz a produção de anticorpos neutralizantes, chamada de imunidade humoral, mas não ativa linfócitos T, que é chamada de imunidade celular. A vacina da Oxford/AstraZeneca induz tanto a imunidade humoral como a celular.

Quanto tempo após tomar a vacina uma pessoa fica imunizada contra a covid-19?
Nos processos de imunização, espera-se de duas a três semanas após a segunda dose para que o processo de memória imunológica esteja completo.

As vacinas contra a covid-19 podem provocar algum efeito colateral?
Durante a fase de testes das vacinas aplicadas no Brasil, não foram detectados efeitos adversos graves. Em geral, as vacinas podem provocar vermelhidão e dor no local da aplicação e, às vezes, febre baixa. Essas reações leves costumam desaparecer em poucos dias.

A vacinação impede que o imunizado infecte outras pessoas?
A vacinação é um processo de indução de memória imunológica, que significa que a pessoa vacinada terá uma resposta mais eficiente na eliminação do vírus. Esta resposta mais eficiente pode significar não permitir a replicação do vírus ou uma replicação com sintomas leves ou moderados. A CoronaVac mostrou que 100% dos voluntários vacinados que contraíram a doença não tiveram casos graves, mostrando que a resposta imunológica deles auxiliou na resolução da infecção. Então, a pessoa vacinada pode infectar outras caso desenvolva a forma leve da doença, e deve seguir os protocolos de prevenção não farmacológicos, como uso de máscaras, lavagem das mãos, uso de álcool gel e distanciamento social

Por que mesmo tomando a vacina é preciso continuar seguindo as medidas de saúde pública?
As medidas de higienização das mãos, distanciamento físico e uso de máscara devem permanecer por um bom tempo. A Opas e a OMS recomendam que as precauções contra a transmissão da covid-19 sejam mantidas mesmo por quem já estiver vacinado, até que as pesquisas sejam conclusivas. Assim, todas as pessoas que tomarem vacinas precisam continuar mantendo todas as medidas de prevenção — como distanciamento físico, uso de máscaras e lavagem das mãos.


Fontes: Professora do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília (UnB) e imunologista Anamelia Lorenzetti Bocca e Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS)

Quem vai se vacinar hoje?

 (crédito: Larissa Passos/CB/D.A Press)
crédito: Larissa Passos/CB/D.A Press

A vacinação deste domingo é exclusiva para idosos e profissionais da saúde agendados para receber a segunda dose (D2). Para atender a demanda, somente o posto drive-thru no Estacionamento 13, do Parque da Cidade, estará em funcionamento, das 9h às 17h. Em nota, a secretaria afirmou que aguarda a disponibilização de mais doses pelo Ministério da Saúde para dar continuidade a imunização do grupo de idosos a partir de 66 anos.

Serviço

Público: idosos e profissionais de saúde agendados
Hora: das 9h às 17h
Local: Estacionamento 13, do Parque da Cidade

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE