Segurança

Mudança geral no comando da PM

O novo comandante-geral da Polícia Militar do Distrito Federal, Márcio Cavalcante de Vasconcelo, trocará a cúpula da corporação. A substituição será feita após o ex-comandante-geral Julian Pontes ter furado a fila na "xepa" da vacina contra a covid-19

Darcianne Diogo
postado em 03/04/2021 22:10
 (crédito: Roque de Sá/Agencia Senado)
(crédito: Roque de Sá/Agencia Senado)

Nos próximos dias, toda a cúpula da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) deve ser substituída. Ontem, o novo comandante-geral da corporação, Márcio Cavalcante de Vasconcelos, se reuniu com alguns coronéis para definir os novos nomes, que ficarão responsáveis pela tropa. A decisão vem após o ex-comandante-geral, o coronel Julian Pontes, ser exonerado do cargo por tomar a “xepa” da vacina contra a covid-19, antes dos mais de nove mil praças que trabalham nas ruas. O Ministério Público do DF (MPDFT) informou que vai instaurar investigação sobre o caso.

As mudanças devem começar pelo subcomando-geral da PMDF, cargo ocupado atualmente pelo coronel Cláudio Fernando Condi, um dos que também teria tomado a “xepa” da vacina, segundo fontes da PM. No lugar dele, é provável a entrada do coronel Cristiano de Oliveira Souza, que atuou como subsecretário de Operações Integradas da Secretaria de Segurança Pública (Sopi/SSP-DF).

O coronel Jorge Eduardo Naime, presidente da Associação dos Oficiais da PMDF (ASOF) e comandante do II Comando de Policiamento Regional Oeste (Ceilândia e Brazlândia), deve assumir a chefia do Departamento Operacional (DOP), ocupada pelo coronel Hemerson Rodrigues. O chefe do Estado Maior, o coronel Marcelo Helberth de Souza, também deve deixar a função. No lugar dele, entra o tenente-coronel Reginaldo de Souza Leitão, nomeado em junho de 2020 para o cargo de coordenador da Coordenação de Planejamento, da Subsecretaria da Sopi/SSP.

As mudanças vêm em meio à polêmica que levou à exoneração do ex-comandante-geral da PMDF Julian Pontes. O fato de ele ter tomado a “xepa” da vacina contra o novo coronavírus foi mal recebido na corporação e gerou tensão e revolta entre os militares. Além dele, o subcomandante operacional do 2º Comando de Policiamento Regional, tenente-coronel Eduardo Condi, também teria recebido o imunizante. Condi passou a atuar na área administrativa da PMDF após ser indiciado 23 vezes por tráfico de animais silvestres, fraude processual, maus-tratos e associação criminosa no âmbito da operação Corn Snake, deflagrada pela 14ª Delegacia de Polícia (Gama) em julho do ano passado, no caso da cobra naja.

Julian Pontes se defendeu e esclareceu que, “apesar de poder ser classificado como inoportuno, tal ato não foi ilegal”. “Em nenhum momento furei os critérios estabelecidos para a vacinação, sendo vacinado dentro das doses remanescentes, após o término do período regular e sob a coordenação do funcionário da Secretaria de Saúde”.

Investigação

O MPDFT vai instaurar, amanhã, uma notícia de fato para apurar a vacinação contra a covid-19 do ex-comandante-geral da PMDF e dos outros integrantes do alto-comando. Ao Correio, o promotor da 2ª Promotoria de Defesa da Saúde, Clayton Germano, afirmou que ouvirá todos os envolvidos para concluir se a atitude do coronel Julian Pontes e dos militares trata-se de crime ou improbidade administrativa.

“Eu já estava tratando desse caso ontem (sexta-feira) ao saber dessa informação. Expedi recomendação à SES-DF para que regulamentasse a sobra de doses nos postos de saúde. A secretaria concluiu que as doses remanescentes seriam dadas aos PMs, na justificativa que eles estão trabalhando na ponta, fazem a segurança do perímetro e trazem as doses, ou seja, estão expostos. Só que a circular define que as ‘xepas’ são destinadas aos militares que fazem o trabalho de rua. Vamos ouvir todos os envolvidos e se porventura surgir alguma controvérsia, iremos escutar os profissionais da saúde que aplicaram a vacina”, explicou o promotor Clayton Germano.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE