Capital S/A

samantasallum.df@cbnet.com.br Samanta Sallum

Correio Braziliense
postado em 04/04/2021 20:55

Conhece-te, aceita-te, supera-te
Santo Agostinho

 

Vendas aquecidas para o pós-Páscoa
A procura por ovos de chocolate continuará mesmo depois da Páscoa. Muitos consumidores aguardam ansiosos pela queda dos preços no comércio para fazerem compras mais gordas. Pesquisa realizada pela operadora TIM com seus clientes aponta que 37% dos entrevistados vão adquirir as guloseimas depois da data, para aproveitar preços menores.

 

Encomendas especiais
Independentemente das promoções, há um público que pretende consumir os produtos da Páscoa até o fim do mês. As empresas que oferecem itens artesanais e que usam ingredientes especiais receberam encomendas até meados de abril. É o caso da empresária e chef Inaiá Sant'Ana da confeitaria Quitutices, que oferece um cardápio especial para quem tem restrições a lactose, glúten e açúcar.

 

Agenda cheia
Na Quitutices, na 315 Sul, as encomendas pós-Páscoa já viraram uma tradição. “Como produzimos tudo artesanalmente, temos uma limitação de atendimento. Então, nas últimas Páscoas nossa agenda tem fechado antes do previsto. E, para atender a todos, sempre estendo o período de encomendas", conta Inaiá.

Neste ano, será até 17 de abril para todo o cardápio de Páscoa, que pode ser consultado nas redes sociais da marca (@quitutices).

 

Filas na porta
O consumidor foi presencialmente às compras nesta Páscoa. Apesar das restrições da pandemia e da necessidade de distanciamento social, o hábito de ir até a loja para escolher o ovo de chocolate foi mantido por grande parte dos consumidores. Filas se formaram nas portas das lojas de chocolate nos dias que antecederam a data.

 

Enquete
De acordo com levantamento do TIM Ads, plataforma em que usuários da operadora recebem bônus de dados e recargas ao participarem de enquetes, 57% dos entrevistados responderam que optaram pelas compras presenciais. Apenas 18% aderiram aos canais digitais e 15% não pretendiam gastar no feriado.

 

Doação de alimentos nos postos de vacinação
Com apoio da Associação dos Supermercados de Brasília (Asbra), o GDF a partir de hoje inicia oficialmente em todos os pontos de vacinação uma campanha para arrecadar alimentos. A doação não é obrigatória. Contribui quem puder. O que for arrecadado será destinado a famílias carentes. A iniciativa está ocorrendo em outras capitais.

 

Carinho e solidariedade
Diversas entidades empresariais realizaram ações beneficentes para a Páscoa. O GT Unidos pela Vacina, do grupo Mulheres do Brasil, distribuiu chocolates para 20 equipes de trabalho nos drive-thrus de vacinação e em unidades básicas de saúde do DF. A Fundação da Câmara de Dirigentes Lojistas do DF preparou 600 ovos de Páscoa para 10 comunidades carentes.

 

Sinduscon e Ademi se unem por Hospital de Samambaia
As entidades mobilizaram empresários do setor da construção para colaborarem com a extensão do Hospital de Samambaia. A nova unidade de saúde pública irá atender pacientes com covid. Incorporadoras, construtoras, imobiliárias, escritórios de arquitetura, a fundação habitacional e pessoas físicas colaboram com a iniciativa.

 

Doação para o BRB
Ao todo, o setor arrecadou cerca de R$ 700 mil para a ação. As entidades afirmam que é hora de se unir ao poder público e à sociedade no esforço para enfrentar o momento mais grave da pandemia. Nesta semana, será feita a entrega oficial do valor arrecadado ao Instituto Banco de Brasília (BRB).

 

 

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE