FISCALIZAÇÃO

Semana Santa: Força-tarefa encerra festa clandestina e interdita lojas

Fim de semana foi marcado por evento irregular, com 92 pessoas, em Ceilândia, e interdições de estabelecimentos. Polícia Militar e DF Legal realizaram mais de 12 mil vistorias na Semana Santa. Secretaria de Saúde registrou, ontem, mais 53 mortes pela doença

Pedro Marra
postado em 05/04/2021 06:00 / atualizado em 05/04/2021 10:00
 (crédito: Governo de São Paulo/divulgação)
(crédito: Governo de São Paulo/divulgação)

Mesmo após a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) ter registrado, ontem, mais 53 mortes pela covid-19 e 1.088 novos casos, os desafios ao toque de recolher continuam. A força-tarefa de fiscalização contra a doença — formada por órgãos de segurança do GDF — encerrou uma festa clandestina e interditou vários estabelecimentos, abertos irregularmente, no feriado da Semana Santa. Em Ceilândia, no setor de chácaras Alexandre Gusmão, Incra 9, uma festa clandestina com mais de 90 pessoas foi finalizada, na madrugada de sábado, pela Secretaria de Proteção da Ordem Urbanística do Distrito Federal (DF Legal) e Polícia Militar (PMDF). A dona da residência foi multada em R$ 20 mil pela aglomeração de pessoas no local.

Na ocasião, a Secretaria DF Legal esclareceu que um homem alugou o imóvel para fazer a festa. A equipe de fiscalização também multou a dona da casa em R$ 4 mil, por não cobrar o uso de máscara contra a covid-19 dos convidados. Na mesma noite, um participante do evento foi multado em R$ 2 mil por se recusar a colocar o equipamento de proteção durante a ação da equipe.

A Polícia Militar informou que, ao todo, 92 pessoas foram abordadas durante a operação, 15 veículos vistoriados, dois estabelecimentos fiscalizados e duas pessoas autuadas. A dona da residência foi encaminhada para a 14ª Delegacia de Polícia (Gama) e autuada por infração de medida sanitária.

Em conjunto com as demais equipes da força-tarefa do GDF, os agentes da DF Legal realizaram 12.659 vistorias a estabelecimentos comerciais apenas no sábado. “Desse total, 494 foram abordados, 15 multas aplicadas e 12 interdições por descumprimento dos decretos vigentes de combate à covid-19”, esclareceu a pasta.

“Entre os dias 8 de março e 3 de abril, as equipes de fiscalização realizaram 375.713 vistorias por todo o DF, com 12.783 abordagens a estabelecimentos. Desse total, 478 foram autuados e 553 interditados. Ao todo, 73 pessoas foram multadas por desobedecerem ao toque de recolher e 47 multadas pelo não uso de máscaras. No mesmo período, 16.855 quiosques foram vistoriados e 1.288 abordados. Ao todo, 3.392 ambulantes foram removidos”, acrescenta a secretaria.

Boletim

De acordo com a Secretaria de Saúde, após a notificação das últimas 53 mortes, o DF totalizou, ontem, 6.288 óbitos pelo novo coronavírus. A capital federal tem cerca de 349 mil infectados pela covid-19. Desses, mais de 329 mil se recuperaram da doença. A taxa de transmissão segue em 0,92, ou seja, cada 100 pessoas infectadas podem transmitir o novo coronavírus para outras 92.

Ceilândia é a Região Administrativa (RA) com o maior número de casos (mais de 37 mil) e de mortes pela doença (1.024). O Plano Piloto soma 33 mil registros e 452 mortes pela covid. Taguatinga tem 28 mil pessoas infectadas e 635 óbitos pelo novo coronavírus.

Leitos de UTI

Segundo a atualização do portal InfoSaúde, do GDF, às 18h10 de ontem, a rede pública hospitalar do Distrito Federal tinha apenas 10 leitos de UTIs vagos para o tratamento de pacientes com a covid-19. Desses, dois são de neonatal, um é pediátrico e os outros sete de adulto. Com esses três tipos de pacientes, a taxa de ocupação está em 97,5%. Somente de leito UTI adulto, a porcentagem sobe para 98,1%. Não há leitos bloqueados.

Na rede privada, a taxa de ocupação de leito adulto de UTI de covid-19 está em 99,3%, conforme divulgação dos números às 12h10 de domingo. Em toda a rede particular, há somente três leitos vagos para adultos. Do total de 437 leitos (adulto, pediátrico e neonatal), 427 estão ocupados e sete encontram-se bloqueados.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE