Crônica da Cidade

Respeitem Brasília

Severino Francisco
postado em 03/05/2021 21:01

Amigos do Rio de Janeiro, de São Paulo, de Salvador e do Recife me perguntam, ao assistir manifestações antidemocráticas na Esplanada dos Ministérios, o que está acontecendo e se essas pessoas representam Brasília. Disse a eles que Brasília é profundamente Brasil, nas grandezas e nas misérias. Mas, na verdade, confesso que fico indignado quando vejo pessoas enroladas na bandeira do Brasil clamando por intervenção militar, fechamento do STF ou do Congresso Nacional. Isso tudo entra na conta de Brasília.

Cada um tem o sagrado direito de se manifestar como quiser, desde que não ultrapasse a linha dos limites democráticos. Mas sair à rua para apoiar o golpe de estado, a derrubada do STF ou do Congresso Nacional é algo que atenta contra a democracia. Em suma: é um crime. Não importa se os que o cometem venham embrulhados na bandeira do Brasil.

Enquanto se aglomeravam, sem máscaras e sem respeitar os protocolos de distanciamento físico, na Esplanada dos Ministérios, sindicalistas celebravam o Dia do Trabalhador em várias cidades do país, com atos de solidariedade, distribuindo toneladas de alimentos para as vítimas da desestruturação provocada pela pandemia e pela inépcia do governo que eles apoiam.

Alguns cartazes propagavam a mensagem: “Eu autorizo, presidente”. Quer dizer, eles autorizavam a intervenção militar nos estados que adotaram medidas de restrição social. É graças a elas que a curva de contaminados e de mortos caiu, significativamente, nos últimos dias, em todo o país. Falam em nome do povo, mas constituem uma minoria da minoria.

Prometeram colocar um milhão de pessoas na Esplanada dos Ministérios. Mas, segundo a estimativa superestimada dos próprios organizadores, só conseguiram mobilizar 5 mil pessoas. Não, eu não autorizo o ataque à democracia. Eu nem a maioria dos 3 milhões de brasilienses. Essas manifestações envergonham a maioria dos brasilienses e dos brasileiros.

É preciso lembrar que Brasília tem uma tradição de protestos de rua. Em 1976, uma multidão desafiou as ordens do regime militar e invadiu as avenidas de Brasília para reverenciar o ex-presidente Juscelino Kubistchek, morto em um estranho acidente de carro. Na virada final da década de 1980, uma legião urbana de brasilienses ocupou a Esplanada dos Ministérios para apoiar o movimento das Diretas Já. E, recentemente, ocorreram carreatas com mais de 100 mil pessoas para protestar contra os cortes no orçamento para educação.

Muitas ilusões históricas se desvaneceram. Mas Brasília permanece um símbolo, uma promessa de modernidade brasileira. Os manifestantes anti-democráticos são contra a vacina, contra o voto eletrônico, contra a educação, contra o meio ambiente, contra a democracia, contra a cultura e contra a vida. São a favor das armas, da ignorância, da impunidade, do voto impresso e da morte. Eles são a vanguarda do atraso.

Não representam Brasília. Quem representa Brasília é Athos Bulcão, a Legião Urbana, Vladimir Carvalho, Wagner Hermusche, Sérgio Moriconi, Francisco Alvim, Maria Lúcia Verdi, o Coletivo Maria Cobogó, Nicolas Behr, Cássia Eller e tantos outros. Dizem que tocaram até Tempo perdido, da Legião Urbana, em um ato em Limeira (SP). Renato Russo e a turma da Legião Urbana participaram de manifestações pela democracia em frente ao Congresso Nacional nos anos 1980. Por favor, mais respeito a Brasília.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE